Portuguese PT English EN Spanish ES
Julgamento com perspectiva de gênero demonstra amadurecimento do Judiciário, avalia conselheira
Julgamento com perspectiva de gênero demonstra amadurecimento do Judiciário, avalia conselheira
Lançamento da Semana Justiça pela Paz em Casa e do protocolo sobre perspectiva de gênero no TJRJ. Foto: G.Dettmar/CNJ

Magistrados, magistradas e integrantes do Ministério Público e da Defensoria Pública foram apresentados, na última sexta-feira (19/11), ao Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero, criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam). O texto possui 120 páginas contendo conceitos, apresentação de casos e um passo a passo para aumentar o conhecimento dos profissionais do direito no sentido da equidade de gênero em julgamentos, e sinalizando pontos que devem ser observados em todo o processo, a fim de reduzir a desigualdade na Justiça.

A conselheira do CNJ Tânia Regina Silva Reckziegel, coordenadora da Comissão Permanente de Políticas de Prevenção às Vítimas de Violências, Testemunhas e de Vulneráveis, afirmou que a criação do Protocolo demonstra o amadurecimento do Poder Judiciário em relação às questões afetas à igualdade de gênero e deixa clara a necessidade de assegurar a adoção de medidas nessa luta. “O Protocolo exalta o dever de conferir máxima efetividade aos direitos fundamentais, em respeito à dignidade humana e ao reconhecimento de que o Judiciário, dotado de poder estatal, deve atuar para assegurar o pleno respeito a todos, salvaguardando a igualdade, a liberdade e a autonomia individual, que constitui a base do Estado Democrático de Direito.”

Conheça o Protocolo para Julgamento com Perspectiva de Gênero

Criado a partir de estudos desenvolvidos por um grupo de trabalho do CNJ composto por especialistas e magistrados e magistradas de todos os ramos de Justiça, o Protocolo tem por objetivo capacitar e orientar operadores e operadoras do Direito – em especial, a magistratura – para que promovam julgamentos com maior nível de efetividade, equidade e não discriminação. O documento está em consonância com o ODS 5 da Agenda 2030 da ONU, que trata especificamente da igualdade de gênero.

Transformação necessária

A apresentação do Protocolo ocorreu em evento da Escola da Magistratura do estado do Rio de Janeiro (Emerj), em parceria com o CNJ, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) e a Enfam. A ex-conselheira Ivana Farina, que esteve à frente da elaboração do documento no grupo de trabalho do CNJ, afirmou durante a apresentação que se trata de um instrumento importante de transformação para que no espaço do Judiciário não sejam repetidas desigualdades estruturais.

“O protocolo é um instrumento que, se bem utilizado pelo Sistema de Justiça, não permitirá que sejam repetidas opressões, nem discriminações. É um instrumento por uma Justiça sem preconceitos, voltado a garantir o direito à igualdade substancial e à não discriminação”, afirmou Ivana, que é procuradora de Justiça do Ministério Público de Goiás.

Durante o encontro, foi apresentado o conteúdo do manual, que traz sugestões práticas e objetivas para operadores e operadoras do Direito trabalharem menos influenciados por preconceitos. A juíza Adriana Ramos de Mello, presidente do Fórum Permanente de Violência Doméstica e Familiar e de Gênero do TJRJ e uma das elaboradoras do texto, defendeu que juízes e juízas “tirem o protocolo do papel”, citando-o em votos e sentenças. Ela também ressaltou a importância de o procedimento ser incorporado às aulas nas universidades e que especialistas escrevam artigos sobre ele. “Está na hora fazermos a sociedade conhecer o protocolo. Esse trabalho é de extrema relevância e há muito trabalho pela frente para aplicarmos na prática esse conteúdo.”

A ratificação do Protocolo pelo CNJ é um importante marco em direção à aplicação de políticas nacionais voltadas à igualdade de gênero. “O simples fato desse protocolo existir e ter sido feito pelo órgão máximo do Judiciário – que, para fazê-lo, teve de reconhecer a importância do combate à violência e a realidade das mulheres em nosso país– tem uma importância simbólica imensa”, ressaltou a juíza Tani Maria Wurster, da Justiça Federal no Paraná e coordenadora da Comissão de Igualdade de Gênero da Associação dos Juízes Federais (Ajufe).

Orientador teórico e prático

A juíza federal Adriana Cruz, que também integra o Observatório de Direitos Humanos do Judiciário, citou a interseção das vulnerabilidades e defendeu que o julgamento com perspectiva de gênero deve alcançar todas as formas de opressão. “Precisamos caminhar para julgamentos de vulnerabilidades. Sabemos que o gênero está em diálogo e conexão com outras formas de opressão que vulnerabilizam vidas. É impossível pensar em gênero sem pensar em raça e pobreza.”

Já Alcioni Escobar da Costa Alvim, juíza do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) no Pará, apresentou a parte teórica do Protocolo e destacou sua aplicabilidade. “As lentes de gênero são importantes e devem ser utilizadas em todas as áreas da Justiça, seja em processos criminais ou familiares, civis, trabalhistas, e outros.”

Estruturada em três eixos, a norma é um orientador teórico e prático. A proposta é jogar luz em diversos momentos da condução de um processo – desde perguntas, instrução e produção de provas até a emissão de sentença – contribuindo para o esclarecimento de situações, sem gerar uma assimetria e vitando, por exemplo, perguntas que desqualificam a palavra da depoente ou que podem revitimizar ou expor a intimidade da vítima.

Para a secretária-geral da Enfam, juíza federal Cíntia Brunett, o documento é fruto de um amadurecimento institucional e uma “verdadeira caixa de instrumentos para a neutralização das desigualdades”. Ela lembrou que o Judiciário é composto, em sua grande maioria (70%), por homens e citou uma frase dita pela escritora feminista Simone de Beauvoir em seu livro Segundo Sexo. “A representação do mundo é operação dos homens; eles o descrevem do ponto de vista que lhes é peculiar e que confundem com a verdade absoluta.”

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias 

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu