Portuguese PT English EN Spanish ES
CNJ aponta sugestões para projeto de lei sobre exploração do trabalho infantil
CNJ aponta sugestões para projeto de lei sobre exploração do trabalho infantil
Foto: Luiz Silveira/CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou Nota Técnica para apoiar a Câmara dos Deputados na tramitação do projeto de lei 6.895/2017, que caracteriza como crime a exploração do trabalho infantil. Além de reforçar a importância da iniciativa, o documento traz sugestões ao texto da proposta, buscando um melhor alinhamento à legislação vigente.

Relatada pela conselheira do CNJ Flávia Pessoa no processo nº 0000217-38.2021.2.00.0000, a Nota Técnica foi aprovada pelo Plenário durante a 81ª Sessão Virtual, encerrada na última sexta-feira (5/3). A necessidade de melhorias foi apontada pelo Fórum Nacional da Infância e da Juventude (Foninj), do qual Flávia Pessoa é presidente.

Uma delas é alterar a faixa etária no parágrafo 2º do novo artigo 207-A previsto no projeto de lei – que trata de adolescentes entre 14 e 17 anos submetidos a trabalhos em ambiente noturno, insalubre e perigoso – para 18 anos de idades incompletos. A proposta adequa a redação para “afastar qualquer hiato de idade e com o intuito de se harmonizar completamente ao regramento constitucional”.

Já em relação à qualificação de crime por quem submete menores de 14 anos a trabalho noturno, insalubre ou perigoso indicada no parágrafo 3º, a Nota Técnica sugere aprimorar com a criação no tipo penal de uma qualificadora para a exploração do trabalho infantil com base na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil (Lista TIP), regulamentado pelo Decreto nº 6.481/2008, “que iria se alinhavar perfeitamente à Convenção 182 da OIT, já ratificada pelo Brasil”.

A Nota Técnica ainda sugere que não seja acolhida emenda à redação do parágrafo 5º, proposta na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. A emenda permite a possibilidade de trabalho infantil artístico e desportivo a crianças e jovens menores de 14 anos “desde que acompanhados por um dos pais ou responsável no local”. A proposta, ao viabilizar essa situação sem a emissão de alvará judicial, “esbarra na previsão legal art. 149, inciso II, do Estatuto da Criança e do Adolescente”.

O documento aprovado pelo Plenário do CNJ será enviado aos presidentes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Pacheco e Arthur Lira, respectivamente, ao ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Braga Netto, ao ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, e ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

Nova sugestão

O conselheiro Rubens Canuto, após destacar a importância da Nota Técnica, propôs que as penas para trabalho noturno, perigoso ou insalubre ao menor de 14 anos sejam alteradas para 3 a 6 anos ou de 4 a 8 anos, ao invés de 3 a 8 anos, como consta no parágrafo 3º do Art. 207-A proposto no PL. Sua sugestão foi acompanhada pelos conselheiros Candice Galvão Jobim e André Godinho.

“É que a pena cominada no caput é de dois a quatro anos, enquanto no § 3º é de três a oito anos. Quer dizer, aumentou-se a pena mínima em 50% e a pena máxima em 100%. Embora isso seja perfeitamente possível ao legislador, que goza de ampla liberdade na cominação das penas, penso que seria mais coerente manter-se a mesma proporção de aumento, seja ela de metade ou do dobro”, esclarece, em trecho do seu voto.

Carolina Lobo
Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu