Portuguese PT English EN Spanish ES
Tribunais vão instalar acesso à Justiça Digital em municípios onde não têm sede
Tribunais vão instalar acesso à Justiça Digital em municípios onde não têm sede
62ª Sessão Extraordinária do Plenário do CNJ. Foto: Rômulo Serpa/CNJ
Compartilhe

A preocupação com a população que não têm acesso à internet – e, consequentemente à Justiça digital – fundamentou recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para que os tribunais instalem Pontos de Inclusão Digital, especialmente nos municípios que não sejam sede de unidades judiciárias. Para a operacionalização, o CNJ recomenda que sejam celebrados acordos de cooperação com órgãos do Sistema de Justiça, como Defensorias, Procuradorias e seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), entre outros.

A ideia é criar salas que permitam a realização de atos processuais, principalmente depoimentos de partes, testemunhas por sistema de videoconferência, além de atendimento por meio do Balcão Virtual. Recomenda-se também que esses ambientes sejam monitorados com mais de uma câmera ou com câmeras 360 graus, de modo a possibilitar a visualização integral do espaço, para permitir que magistrados, integrantes do Ministério Público e partes possam se certificar das condições em que o ato está sendo realizado.

A medida, aprovada por unanimidade pelo Plenário do CNJ durante a 62ª Sessão Extraordinária, realizada nesta terça-feira (14/6), complementa a Recomendação CNJ n.101/2021, que propõe medidas específicas para o fim de garantir o acesso à Justiça às pessoas excluídas digitais, com a disponibilização pelos tribunais, em suas unidades físicas, de pelo menos um servidor em regime de trabalho presencial para efetuar o encaminhamento digital dos eventuais requerimentos formulados e auxiliar o jurisdicionado naquilo que se revelar necessário. “É chegada a hora de avançarmos ainda mais, maximizando o acesso à Justiça com a maior eficiência possível, isto é, por meio da tecnologia”, afirmou o presidente do CNJ, ministro Luiz Fux.

Para o presidente, que relatou o Ato Normativo 0003088-07.2022.2.00.0000, a recomendação vai ao encontro dos esforços feitos para a digitalização da Justiça, por meio do Programa Justiça 4.0, que implementou o Juízo 100% Digital, o Balcão Virtual e os Núcleos de Justiça 4.0, entre outras iniciativas. Fux ressaltou, no entanto, que apesar de o Brasil ter um dos Judiciários mais desenvolvidos do mundo no âmbito digital, é preciso “avançar em busca de uma melhor prestação jurisdicional, mais efetiva e em tempo razoável”.

Ele lembrou ainda que a exclusão digital muitas vezes está associada à miserabilidade – os que não têm acesso à internet também não têm como se deslocarem a um Fórum. Fux destacou experiências de sucesso dos Tribunais de Justiça de Roraima (TJRR) e de Rondônia (TJRO), que desenvolveram projetos para levar serviços do Judiciário a locais de difícil acesso.

No Programa Justiça Cidadã do TJRR, foram instituídos Postos Avançados de Atendimento em todos os municípios que não são sede de comarca, com a finalidade de ampliar e facilitar o acesso à Justiça, mediante a realização de atos processuais e a oferta de serviços por videoconferência, tais como audiências e atendimentos eletrônicos. Já o TJRO desenvolveu o Fórum Digital, buscando ofertar serviços judiciais à população, de forma eletrônica e remota, em parceria com prefeituras, Ministério Público, Defensoria Pública e demais instituições de relacionamento da Justiça, com otimização de recursos. “As louváveis iniciativas inspiram o presente ato normativo”, afirmou Fux.

O ministro ainda destacou a importância da formação da cooperação entre os próprios tribunais que atuam em cada localidade. “Considerando-se que, independente do Tribunal e ramo de Justiça, o Judiciário deve ser visto de forma una, devemos fomentar a cooperação institucional, identidade nacional e a maior sinergia possível, nos termos, inclusive, da Plataforma Digital do Poder Judiciário, também se recomenda aos tribunais que celebrem acordos de cooperação entre si, possibilitando que as salas de videoconferência disponibilizadas em seus fóruns, nos termos da Resolução CNJ n.341/2020, possam ser utilizadas para realização de quaisquer atos processuais e atendimentos pelo Balcão Virtual, independente da origem do processo.”

17 anos do CNJ

Os avanços da mobilização digital no Judiciário também foram lembrados pelo ministro em virtude do aniversário de 17 anos do CNJ, celebrado nesta terça (14/6). Fux ressaltou a relevância dos trabalhos desenvolvido nessas quase duas décadas de atuação. Criado pela Emenda Constitucional nº 45, o CNJ atua em esferas que vão além do controle administrativo e financeiro do Poder Judiciário e disciplinar da magistratura brasileira.

Fux lembrou alguns dos temas importantes tratados ao longo dos anos, como defesa a dos direitos humanos e o combate à violência doméstica, crianças e adolescentes e idosos. O ministro também destacou temas que têm movimentado o Conselho nos últimos anos, como projetos e ações antidiscriminação e a Agenda 2030.

Ao agradecer o empenho de todos que integram o CNJ, o ministro destacou a relevância e extensão das ações que vendo sendo desenvolvidas. “Todos esses projetos somente se fizeram realidade pelo trabalho dedicado e o empenho de colaboradores e colaboradoras, dos conselheiros e conselheiras que aqui elaboraram e aprovaram inúmeros atos normativos. A sociedade brasileira precisa ter noção do quão extenso é o trabalho realizado pelo Conselho Nacional de Justiça.”

 

Texto: Lenir Camimura 
Edição: Thaís Cieglinski
Agência CNJ de Notícias

Reveja a 62ª Sessão Ordinária do canal do CNJ no YouTube

Veja mais fotos no Flickr do CNJ
(use as setas à esquerda e à direita para navegar e clique na imagem para a acessar em diferentes resoluções)
14/06/2022 62ª Sessão Extraordinária

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu