Portuguese PT English EN Spanish ES
Justiça se aproxima de povos tradicionais para ouvir crianças em casos de violência
Justiça se aproxima de povos tradicionais para ouvir crianças em casos de violência
Foto: Luiz Silveira/CNJ
Compartilhe

Um conjunto de diretrizes foi reunido no “Manual Prático de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes Pertencentes a Povos e Comunidades Tradicionais”, lançado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para orientar tribunais, magistrados e magistradas a lidarem com essa sensível questão. O objetivo é adaptar as normas da escuta protegida, de forma a garantir a proteção de vítimas e testemunhas de violência de origem quilombola, indígena, cigana ou outros povos que habitam o território brasileiro.

Construídas a partir das informações levantadas pelo diagnóstico antropológico realizado pelo CNJ em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), as 14 orientações tratam desde a identificação do povo à estruturação do Judiciário para implementar a escuta protegida. As discussões partiram da Resolução CNJ n. 299/2019, que estabelece a implementação da escuta protegida para crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência, conforme disposto na Lei 13.431/2017.

Segundo a juíza auxiliar da Presidência do CNJ Lívia Peres, a ideia era debater a implementação dos normativos no contexto das comunidades e povos tradicionais. “Havia uma dificuldade em saber o que acontecia na prática. A partir de um diagnóstico nas regiões com maior incidência dos povos tradicionais, identificamos e propusemos um protocolo para nortear essa questão”, explica. A magistrada destaca, contudo, que alguns desafios vão além da estrutura e logística. “Nada é simples, porque são regiões afastadas e com culturas próprias. É preciso customizar o atendimento e sabemos das dificuldades de ter pessoas capacitadas para realizar o depoimento especial. Mas a preocupação do CNJ e de todo o Judiciário é de dar visibilidade a esses povos e garantir seus direitos.”

O diagnóstico é resultado do projeto-piloto realizado em 2021 com a participação dos Tribunais de Justiça da Bahia, Mato Grosso do Sul, Amazonas e Roraima e se concentrou nos povos indígenas, ciganos, quilombolas e povos de terreiro. Durante sete meses, a consultora do Pnud e antropóloga Luciana Ouriques esteve em contato com as comarcas definidas pelos tribunais para participar do projeto. “Nossa intenção era, a princípio, verificar em que situação o depoimento especial de crianças estava estruturado e como lidavam com as especificidades dos povos tradicionais.”

Leia mais:

De acordo com a antropóloga, em muitas regiões há barreiras não apenas culturais, mas também logísticas. Algumas comarcas não contam com o apoio da rede de proteção e do Sistema de Justiça para a tomada do depoimento especial. “Uma das principais questões foi a mobilização da rede de apoio para a implantação do projeto-piloto e, juntos, aderir à reflexão sobre possibilidades e potenciais para a construção de pontes de diálogo com os representantes culturais e líderes de comunidades.”

O preparo das equipes técnicas – entrevistadores forenses e intérpretes – também não se limita à norma. Pelo contrário, é preciso entender a cultura da criança que será ouvida, tanto para formular perguntas que façam sentido para ela dentro de sua cosmovisão, quanto na tradução da língua, que deve ter a influência da cultura para que haja uma comunicação efetiva. “O intérprete, nesses casos, é um mediador cultural. As perguntas devem ser adaptadas para as estruturações simbólicas da língua, para que façam sentido para a criança”, ressaltou Luciana Ouriques.

A especialista reforçou ainda que o diálogo do CNJ com as comarcas construiu debates para romper as dificuldades interculturais e interinstitucionais e das várias instâncias do Sistema de Justiça, incluindo a rede de apoio, formada por entidades como igrejas, centros comunitários e associações, além da Fundação Nacional do Índio (Funai). “Foi muito importante que o Judiciário tenha buscado estabelecer o contato com os líderes dessas comunidades, abrindo-se para o diálogo e para a participação dos povos. Não tem como a criança ser ouvida se seu povo não o é.”

Quilombolas, ciganos e povos de terreiro

Na Bahia, três comarcas participaram do projeto-piloto: Santo Amaro, Eunápolis e Cachoeira. Na região, a maior incidência é de povos tradicionais quilombolas, ciganos e nações de terreiro.

Segundo o coordenador do projeto no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), o juiz da 1º Vara dos Crimes praticados contra crianças e adolescentes da comarca de Salvador, Arnaldo José Lemos de Souza, é preciso entender a cultura desses povos para que não seja provocada a chamada “violência secundária”, nem a institucional, “por não darmos tratamento adequado em relação às questões culturais”.

O magistrado afirmou também que é fundamental que as comunidades tenham conhecimento da preocupação do Judiciário em respeitar sua cultura. Esse diálogo permite a abertura para a atuação de todo o Sistema de Justiça e da proteção da infância. Para ele, o Manual é um instrumento importante, pois traz à luz formas de dar atenção a essas crianças. “Para ouvi-las é preciso saber de onde elas vêm, para saber como lidar com suas peculiaridades étnicas, sem que se sintam culpadas ou envergonhadas. É uma forma de demonstrar empatia e de que elas estão seguras.”

Além das dificuldades culturais, as comarcas baianas também não conseguiram identificar os processos referentes às vítimas de comunidades tradicionais. E que não há um campo para identificação da etnia no cadastro dos processos judiciais. O CNJ já está trabalhando em uma solução na Plataforma Digital do Poder Judiciário, que deve trazer a identificação de grupos minoritários.

Em Santo Amaro, onde há a predominância de quilombolas, foi feita uma parceria com a prefeitura, por meio da Secretaria de Assistência Social, para identificá-los. O juiz Gustavo Nunes, que respondia pela comarca de Santo Amaro à época do projeto, contou que, na delegacia e na prefeitura, não haviam profissionais especializados para lidar com as comunidades étnicas.

De acordo com ele, o projeto-piloto despertou para as necessidades gerais da implantação do depoimento especial, como a sala específica para as oitivas, a capacitação dos servidores e o conhecimento do juiz em relação a esses povos. Nunes ressaltou que o projeto humaniza o Judiciário. “A iniciativa do CNJ foi muito importante, pois o depoimento especial já é algo complicado e complexo. A criança já está cercada de traumas e problemas. Quando se acrescentam costumes específicos, elas são ainda menos compreendidas. Se for feito por pessoas que não têm essa sensibilidade, o resultado não é efetivo.”

Em Eunápolis, extremo sul da Bahia, o juiz Otaviano Andrade de Souza Sobrinho contou com a parceria da Igreja Católica, cujo bispo diocesano se dedica a cuidar dos povos ciganos da região. “Para ter acesso à comunidade, somente com a intermediação de Dom José Edson Santana de Oliveira, o bispo local.” Os ciganos da região mudaram sua característica nômade para se estabelecer na cidade. Contudo, visando proteger uns aos outros e conservar sua identidade, valores culturais e dialetos, constroem suas casas numa mesma localidade.

Os ciganos desconfiam do Judiciário e não compreendem a diferença entre as instituições do Sistema de Justiça. “Houve um desentendimento entre os ciganos e a polícia durante o período do projeto e isso criou uma tensão. Isso se refletiu no trabalho de aproximação que estávamos tentando estabelecer”, explicou o magistrado. “A pandemia dificultou ainda mais a interação, mas o trabalho do CNJ despertou a vontade de aproximação e estamos agendando reuniões. Pretendemos explicar às lideranças a função do Judiciário e aprender o que pensam a nosso respeito. Dessa forma, esperamos ter mais acesso e trocar conhecimentos que nos permitam ajudar a comunidade.”

Em Cachoeira, cidade histórica com 30 mil habitantes, está a maior concentração de terreiros de candomblé do país. Essas comunidades também têm uma cultura própria, influenciada pelas raízes religiosas. Nesse contexto, o projeto reuniu todas as representações das Nações de Terreiro para explicar como o depoimento especial deve funcionar. “A ideia é que eles mesmos sejam os multiplicadores desse conhecimento”, explicou José Francisco Oliveira de Almeida, juiz titular de Vara com competência de Crime, Júri, Execuções Penais, Infância e Juventude da comarca. A Lei do Depoimento Especial evita a revitimização por meio da entrevista forense, como ressaltou o juiz. “O projeto acrescenta algo familiar à oitiva, como alguém da comunidade, para que a criança se sinta confortável.”

Para realizar a reunião com as lideranças de terreiro, o juiz contou com a participação de um advogado local, que integra a comunidade. Antes disso, não havia resposta aos convites enviados pelo Judiciário. “Há uma hierarquia, dialetos e representações nas vestimentas. Questões culturais que precisam ser respeitadas e levadas em consideração na aproximação com os povos.”

Depois do encontro, foi criado um grupo em um aplicativo de mensagens. “O que combinamos é que, havendo alguma intercorrência, eles nos avisam e enviamos um representante da Coordenadoria da Infância para verificar a questão no local.” Além disso, o juiz não descarta a possibilidade de realizar as oitivas dentro das comunidades, em vez de levar a criança para o fórum. “A lei se volta para o interesse da criança. Se o maior conforto para ela for ser ouvido no local, faremos assim.”

Para o juiz José Francisco, quando o Poder Judiciário se especializa em algum tema, pode oferecer um retorno positivo para a sociedade. “É o que estamos vendo com a realização deste trabalho, que dá os primeiros passos com o Manual. O ganho social é considerável. Os outros colegas do Brasil terão uma ferramenta para lidar não apenas com essas minorias, mas também em outras situações similares.”

Depoimento especial

O depoimento especial constitui um dos atendimentos prestados pelo sistema de garantia de direito de crianças e adolescentes vítimas de violência, que prima pela não revitimização. Para tanto, se faz necessária a atuação sistêmica e coordenada entre as instituições que integram o sistema de garantia de direitos — Judiciário, segurança e rede de proteção. Nas comunidades tradicionais, o fluxo dos atendimentos prestados pelo sistema de garantia de direitos precisa adquirir contornos interculturais de modo a contemplar as especificidades linguísticas e socioculturais.

Resolução CNJ n. 299/2019, a Lei n. 13.431/2017 e o Decreto n. 9.603/2018 são os normativos que tratam da escuta protegida, reconhecem a necessidade de se garantir condições especiais para o depoimento especial das crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência oriundas de povos e comunidades tradicionais de modo a evitar a revitimização.

Lenir Camimura
Agência CNJ de Notícias

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu