Portuguese PT English EN Spanish ES
Diversidade de estratégias impulsiona avanços em ações do Justiça 4.0
Diversidade de estratégias impulsiona avanços em ações do Justiça 4.0

As reuniões regionais do Programa Justiça 4.0 têm destacado a diversidade de estratégias adotadas pelos tribunais de Justiça na implantação de políticas judiciárias como o Balcão Virtual e o Juízo 100% Digital. Em cada região, o programa, a partir das mesmas regras, é adotado de maneira peculiar.

“Isso é bom, porque é com a diversidade que melhoramos. O diferente pode ser a solução mais eficiente do que aquela inicialmente pensada”, afirmou o secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Valter Shuenquener, na abertura da segunda reunião na região Nordeste.

Na quinta (21) e sexta-feira (22/10), o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE) e o da Paraíba (TJPB) relataram suas experiências de implementação das políticas judiciárias nacionais e de integração à Plataforma Digital do Poder Judiciário brasileiro (PDPJ-Br) e ao Codex. Esses são projetos do CNJ executados por meio do Programa Justiça 4.0 em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o Conselho da Justiça Federal (CJF).

Segundo Shuenquener, as visitas às regiões permitem que o CNJ conheça boas práticas na adoção das políticas e promovem o compartilhamento de experiências entre os órgãos. “Para nós, do CNJ, é um aprendizado, pois conseguimos coletar o que está acontecendo e, a partir disso, extrair conclusões com o objetivo de fazer sugestões.”

No encontro, os tribunais também firmaram compromisso, mediante metas e prazos, com a expansão do Balcão Virtual, do Juízo 100% Digital e dos Núcleos de Justiça 4.0 nas unidades judiciárias. Também se comprometeram com a conexão de seus sistemas processuais à Plataforma Digital e com a instalação do Codex nas bases de dados processuais.

Para a presidente do TJCE, Maria Nailde Pinheiro Nogueira, o encontro foi uma oportunidade para discutir os projetos de transformação digital nos dois estados. “A Justiça brasileira, em qualquer estado da Federação, necessita ser fortalecida. O fortalecimento advém desse projeto do CNJ, que busca essa parceria pedagógica com os tribunais de Justiça.”

Cooperação

Colaboração é outra marca do Justiça 4.0, de acordo com o secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, Marcus Livio Gomes. “A proposta do CNJ é que os tribunais de Justiça, em regime de cooperação, desenvolvam produtos, ideias e softwares que possam ser compartilhados entre todos os ramos da Justiça.”

Euler Paulo de Moura Jansen, juiz auxiliar da Presidência do TJPB, afirmou que cooperação “é tudo que o tribunal sempre esperou do CNJ”. Para Jansen, é redundante os tribunais brasileiros criarem as mesmas ferramentas para aperfeiçoar a prestação jurisdicional. “Iniciativas como o Justiça 4.0, em que podemos compartilhar vários módulos, é uma grande felicidade, principalmente para tribunais mais desprovidos de grande força de trabalho.”

Com a adesão à PDPJ-Br, os tribunais podem obter microsserviços e módulos negociais desenvolvidos de forma colaborativa, descentralizada e acessíveis em nuvem. Essa estratégia simplifica e incentiva a conjugação de esforços e o compartilhamento de soluções, levando à uniformidade dos sistemas de tramitação processual em médio e longo prazos.

Próxima reunião

Na segunda (25) e na terça-feira (26/10), é a vez de os Tribunais de Justiça da Bahia (BA) e do Piauí (TJPI) se reunirem com o CNJ para discutir as ações do Justiça 4.0. O encontro ocorre no TJBA e por videoconferência. Além do secretário-geral do CNJ, Valter Shuenquener, e do secretário especial, Marcus Livio Gomes, participam da abertura, às 17h, os presidentes do TJBA, Lourival Almeida Trindade, e do TJPI, José Ribamar Oliveira.

Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu