Portuguese PT English EN Spanish ES
Corregedor arquiva processo contra magistrada de MG por ausência de justa causa
Corregedor arquiva processo contra magistrada de MG por ausência de justa causa
Foto: Arquivo

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, arquivou o pedido de providências instaurado contra a juíza Ludmila Lins Grilo, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), por postagem em rede social. Após os esclarecimentos prestados pela magistrada, o ministro entendeu que não existe justa causa suficiente para instauração de reclamação ou processo administrativo disciplinar (PAD) em desfavor de Ludmila Grilo.

No caso, o procedimento foi instaurado para que fosse apurada possível violação ao que dispõe a Resolução CNJ n. 305/2019, em razão de imagem publicada na rede social Instragram, na qual a magistrada, acompanhada de outras mulheres, supostamente estaria apoiando e convocando o público às manifestações de cunho político a favor do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, no último dia 15 de março.

Leia também: Corregedor nacional determina que magistrada esclareça postagem em rede social

Ao prestar as informações, a juíza afirmou que seus perfis em redes sociais são públicos e extremamente populares, “contando com milhares de notificações diárias entre menções, marcações, curtidas, comentários e mensagens privadas”. A magistrada destacou ainda que “como […] não possuo funcionários para operar minhas redes fazendo moderação, desabilitei a configuração de ‘marcação automática’, de forma a poder, a partir de agora, me responsabilizar por marcações públicas no Instagram”.

Ao arquivar o procedimento, entretanto, o corregedor nacional, ponderando que o tema é de interpretação relativamente nova, relembrou, a título de orientação, vários artigos da Resolução CNJ n. 305/2019 quanto às recomendações à atuação dos magistrados nas redes sociais, bem como às condutas vedadas.

Clique aqui e veja a íntegra da decisão.

Corregedoria Nacional de Justiça 

A
Fechar Menu