Portuguese PT English EN Spanish ES
Unidades do Escritório Social serão distribuídas pelas quatro regiões de Natal (RN)
Unidades do Escritório Social serão distribuídas pelas quatro regiões de Natal (RN)
Foto: TJRN

Durante reunião sobre a instalação do projeto Escritório Social em Natal (RN), a equipe técnica da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtas) apresentou esboço da estratégia para a implantação desta iniciativa, integrante do programa Justiça Presente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na capital potiguar. A prefeitura pretende distribuir, em parceria com os Centros Especializados de Referência em Assistência Social (Creas), o trabalho pelos quatro territórios da cidade, com psicólogos e assistentes sociais especializados em violações de direitos, para o atendimento aos egressos do sistema penal em espaços próprios destinados ao atendimento de suas demandas específicas. Além do desenvolvimento de ações de capacitação, cursos, saúde, educação, trabalho, emprego e renda.

Escritórios Sociais são equipamentos públicos, em funcionamento em outros estados, com gestão compartilhada entre os Poderes Judiciário e Executivo, responsáveis por realizar acolhimento e encaminhamentos de pessoas egressas do sistema prisional, em um apoio intersetorial. A iniciativa é resultado da Resolução nº 307/2019 do CNJ e que abrange as ações do programa Justiça Presente.

A reunião foi coordenada, na terça-feira (28/7), pela desembargadora Zeneide Bezerra, presidente do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e Socioeducativo do Rio Grande do Norte (GMF/RN), com a participação do coordenador do eixo de promoção da cidadania do Justiça Presente, Felipe Athayde Lins de Melo. O encontro virtual também contou com a participação da representante da Secretaria Estadual de Trabalho, Habitação e Ação Social, Janine Baltazar, e da secretária adjunta da Semtas, Maria José de Medeiros.

Felipe Athayde falou da importância para a observação de três metodologias que embasam o projeto Escritório Social: mobilização das pessoas pré-egressas dentro dos estabelecimentos prisionais (com previsão de soltura em seis meses); singularização do atendimento (a atenção específica às demandas desta clientela) e a mobilização das redes (espaços onde essas pessoas serão atendidas em suas demandas). E lembrou ainda que desde 1984, o país aguarda a viabilização de uma política concreta de atenção para os egressos do sistema penal.

A desembargadora Zeneide Bezerra ressaltou que o Escritório Social é uma iniciativa de atendimento à saúde, emprego e apoio à família para mostrar que essas pessoas, que deixam o sistema carcerário após o cumprimento de suas penas, recebam orientação e apoio em sua ressocialização. Ela salientou o empenho do presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli, para a concretização desta ação. “Estamos há 36 anos sem a aplicação de uma política pública, como esta que estamos vendo agora, com um olhar para esta população esquecida, com a iniciativa do ministro Toffoli.”

Porta de entrada

O coordenador do eixo de promoção da cidadania do Justiça Presente lembrou que a política de atendimento aos egressos não pode ser dissociada das demais políticas sociais existentes e explicou que o Escritório Social é uma porta de entrada para um serviço especializado, que reconhece as demandas desses indivíduos. “Por isso é importante a garantia das equipes específicas nesses espaços de atendimentos”, frisou Felipe Athayde.

Após a assinatura do termo de cooperação entre o Poder Executivo natalense com o Poder Judiciário, que poderá ocorrer em agosto, o município terá 60 dias para a construção do plano de trabalho, que entre outras coisas vai tratar da formação das equipes que atuarão nas quatro regiões da capital. O estado irá apoiar os municípios que instalarão os escritórios, além de Natal, Mossoró, Pau dos Ferros e Caicó, contribuindo para a formação das equipes de assistência social.

Daniela Rodrigues, coordenadora do Justiça Presente no RN, destacou a importância de se ter uma equipe referenciada para o atendimento a esta clientela para que o egresso se reconheça nesses locais de atendimento. A reunião contou também com as presenças dos juízes Fábio Ataíde, corregedor auxiliar de Justiça, e Gustavo Marinho, coordenador do programa Novos Rumos na Execução Penal, do TJRN.

Fonte: TJRN

A
Fechar Menu