Portuguese PT English EN Spanish ES
Programa Justiça 4.0 abre 25 vagas para consultorias em TI
Programa Justiça 4.0 abre 25 vagas para consultorias em TI
Arte: CNJ

Estão abertos, até 18 de maio, três processos seletivos de propostas de serviços em Tecnologia da Informação que irão contribuir para implementação do programa Justiça 4.0. A iniciativa é executada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em conjunto com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Conselho da Justiça Federal (CJF).

Serão contratados 15 pessoas em desenvolvimento de sistemas, seis para elaboração de relatórios de sprints de testes e consultores para elaboração de relatórios de sprints de programação front-end para desenvolvimento de sistemas. A contratação é feita pelo PNUD.

Os 15 analistas de desenvolvimento serão responsáveis pelo desenvolvimento de aplicações front-end e back-end, que irão subsidiar a construção de microsserviços e APIs RESTful no desenvolvimento de produtos, ferramentas e soluções para a política de gestão de processos judiciais. Para concorrer, os interessados devem enviar propostas técnica e de preço, de acordo com o Termo de Referência publicado pelo PNUD. São requisitos obrigatórios para vaga graduação completa – em qualquer área de formação – ou curso completo de tecnólogo em áreas relacionadas à Tecnologia da Informação; além de, no mínimo, 2 anos de experiência com desenvolvimento de softwares ou atuação profissional ou acadêmica em tecnologia.

Os analistas de testes, contratados para elaboração de relatórios de sprints, ficarão responsáveis pelo quality assurance de ferramentas de tecnologia desenvolvidas para o Justiça 4.0 e o PJe, como também pelo suporte técnico às atividades de desenvolvimento, homologação e implantação de sistemas e ferramentas na Plataforma Digital do Poder Judiciário. As pessoas que desejarem se candidatar devem enviar propostas, conforme descrito no Termo de Referência. Exige-se graduação completa em qualquer área ou curso de tecnólogo em áreas correlatas à TI e experiência profissional ou acadêmica de, no mínimo, 2 anos, com desenvolvimento de softwares e quality assurance.

Já quem irá produzir relatórios de sprints de programação front-end vai trabalhar na manutenção, atualização e desenvolvimento de interfaces web para os sistemas, ferramentas e soluções que compõem o Justiça 4.0. As pessoas candidatas devem ter graduação em qualquer área de formação ou curso de tecnólogo em áreas correlatas à TI, assim como 2 anos de experiência profissional ou acadêmica em Tecnologia da Informação e Desenvolvimento Web (JavaScript, CSS ou HTML5). No Termo de Referência, estão descritos os demais requisitos e as condições para encaminhamento das propostas.

Justiça 4.0

O programa Justiça 4.0 busca promover o acesso à Justiça, com inovação em soluções tecnológicas, análise de dados e inteligência artificial nos serviços do Poder Judiciário. O programa abrange uma série de projetos, como o Juízo 100% Digital, o Balcão Virtual e a Plataforma Digital do Poder Judiciário, que busca a integração dos diferentes sistemas de tramitação eletrônica (PJe e outros) utilizados pelos tribunais dos cinco ramos de Justiça.

Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu