Portuguese PT English EN Spanish ES
Juiz do TJES cria método para acelerar processos de réus presos
Juiz do TJES cria método para acelerar processos de réus presos

Em recente visita que fiz a Vitória (ES) para mais uma edição do programa “Fale com a Corregedora”, tive a satisfação de conhecer o trabalho do juiz Alexandre Farina Lopes, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Serra do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES). O magistrado desenvolveu em sua Vara um exitoso projeto que diminuiu sensivelmente o trâmite de processos de réus em condição de preso provisório.

Incomodado com a burocracia interna da máquina judiciária, o que resulta na morosidade da marcha processual, Farina desenvolveu uma metodologia que torna mais célere os processos de réus presos – atacando diretamente o crônico problema de superlotação das penitenciárias brasileiras, onde estão encarcerados dezenas de milhares de presos provisórios.

A iniciativa consiste em requisitar a apresentação do réu preso e de seu advogado – constituído previamente na fase de audiência de custódia – ou defensor público para uma audiência de notificação/citação. Na ocasião, o juiz recebe a denúncia oferecida pelo Ministério Público, aprecia a possibilidade de concessão de liberdade provisória e, além disso, concede palavra ao defensor para suas alegações preliminares e, em ato contínuo, designa a instrução e o julgamento.

Com a medida, consegue-se superar várias etapas burocráticas de expedição de mandados pelas serventias judiciais e a remessa para as centrais de meirinhos. A audiência notificatória/citatória não configura cerceamento de defesa, haja vista que possibilita ao réu meio mais justo para apresentar sua argumentação – sem que sua prisão se torne ilegal por excesso de prazo.

O resultado é que, na Vara, o julgamento dura em média 60 dias a contar da chegada dos autos provenientes do Ministério Público com a denúncia. A economia de tempo pode chegar a 150 dias.

Outras medidas simples, como a confecção prévia das atas de assentada das audiências, bem como a preparação da serventia judicial para o acolhimento do projeto, têm sido decisivas para a boa evolução da iniciativa.

A proposta de Farina aponta um caminho auspicioso para a resolução do problema da lentidão dos processos penais em que figuram réus presos – além de valorar os inestimáveis princípios da presunção de inocência, cooperação do magistrado, ativismo judicial e razoável duração do processo. Pela originalidade e efetividade do seu projeto, com a consequente economia de tempo e recursos para o Poder Judiciário, o juiz Alexandre Farina Lopes merece o efusivo Nosso Aplauso!

A
Fechar Menu