Portuguese PT English EN Spanish ES
Empresas e profissionais da beleza reforçam apoio à campanha Sinal Vermelho
Empresas e profissionais da beleza reforçam apoio à campanha Sinal Vermelho
Campanha Sinal Vermelho abre novos canais de denúncia sobre violência contra a mulher. Foto: Divulgação/AMB

A indústria da beleza reforçou o apoio à Campanha Sinal Vermelho do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) de enfrentamento da violência contra a mulher. Novas adesões foram formalizadas durante o evento “Beauty Fair 2021”, realizado pelas empresas do setor entre os dias 20 e 23 deste mês em São Paulo (SP), com a presença da conselheira do CNJ Tânia Regina Silva Reckzigel, da juíza Domitila Manssur do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) e do presidente da Associação Nacional dos Sindicatos e Associações do Segmento da Indústria da Beleza e Similares, Paulo Bitar.

A ação se soma ao apoio anterior do segmento, formalizado em 7 de novembro em Porto Alegre, na feira Sul Beleza 2021, e multiplica os esforços em diferentes regiões para o recebimento de denúncias. Com isso, sobe para cerca de 1,6 milhão de estabelecimentos e aproximadamente 2 milhões de profissionais que se unem em mobilização contra a violência doméstica e como multiplicadores das medidas de apoio.

Alerta

A Campanha Sinal Vermelho foi lançada em julho do ano passado pelo CNJ e pela AMB como forma de oferecer às vítimas de violência doméstica uma forma discreta e segura de fazer uma denúncia anônima. Esse tipo de violência, que já vinha se alastrando, ganhou escala durante a pandemia da Covid-19 devido, em boa medida, à combinação do isolamento social com o abuso de álcool, drogas e desemprego.

Para fazer a denúncia anônima e de forma silenciosa, basta a mulher fazer um X vermelho na palma da mão e mostrar a atendentes de milhares de farmácias, drogarias, salões e institutos de beleza, clínicas de estética e aos profissionais do setor de beleza como manicures, cabelereiros, maquiadores, depiladores e profissionais da estética em geral.

Para a conselheira do CNJ Tânia Regina Silva Reckziegel, o novo apoio ocorrido em São Paulo mostra que o X Vermelho ganha força em diversas regiões do país. “É um apoio importante porque o segmento da beleza é vasto e muito próximo das mulheres, com milhares de estabelecimentos e profissionais que estão sempre em contato com elas. É também uma ação que mostra que as mulheres poderão contar com um ponto de apoio em muitas cidades do país para fazer a denúncia de violência.”

O presidente da Associação Nacional dos Sindicatos e Associações do Segmento da Indústria da Beleza e Similares, Paulo Bitar, informou que a partir das adesões os profissionais dos estabelecimentos de beleza serão treinados com o conteúdo da cartilha da Campanha Sinal Vermelho.

A partir disso, estarão preparados para identificar o X Vermelho e acionar as autoridades por meio do 190, das Coordenadorias Estaduais da Mulher em Situação de Violência, dos Ministérios Públicos Estaduais e das Defensorias Públicas. “Daremos apoio total a essa campanha porque o combate à violência doméstica representa para nós um grito de liberdade de muitas mulheres. Vamos mobilizar nossos profissionais para levar essa mobilização a sério e em várias partes do país.”

Segundo ele, a partir das adesões das empresas de beleza de São Paulo e do Rio Grande do Sul ocorrerão novos apoios em outras unidades da Federação, sendo o próximo o estado do Amazonas.

Luciana Otoni
Agência CNJ de Notícias

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu