Portuguese PT English EN Spanish ES
Violência doméstica: juízas conscientizam foliões
Violência doméstica: juízas conscientizam foliões
Foto: TJAL

As juízas Carolina Valões e Marcella Pontes Garcia, da Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), realizaram ação de conscientização sobre violência doméstica neste sábado (15), no desfile do Pinto da Madrugada, em Maceió. As magistradas conversaram com os foliões e distribuíram material da campanha #NãoseCale, que incentiva a denúncia de casos de violência contra as mulheres.

“O carnaval é um momento crítico da violência contra a mulher, então a gente veio aqui e trouxe o Judiciário para perto da população para informar, deixar a mulher consciente do que ela deve fazer em caso de violência”, explicou a juíza Marcella Garcia.

O material distribuído entre os foliões traz um “violentômetro”, que mede as atitudes mais comuns praticadas contra as mulheres. “De posse desse violentômetro é possível que a mulher se reconheça em uma dessas circunstâncias e o homem também, evitando que se repita esse comportamento”, afirmou Carolina Valões.

A magistrada também reforçou a importância de as vítimas denunciarem os abusos sofridos. “As mulheres podem ligar para o 180, que é nacional, ou para o 190 se estiverem em uma situação emergencial”, explicou.

A professora Andréa Cavalcante considerou a campanha positiva. “É uma atitude maravilhosa. O violentômetro traz situações que muitas vezes a pessoa não avalia como ofensa, considera algo normal por fazer parte do dia a dia. Esse trabalho de sensibilizar as pessoas é muito importante”.

Para o biólogo aposentado Carlos Souza Silva, a violência contra as mulheres é inadmissível. “A mulher é igual ao homem e o homem é igual à mulher. Parabéns pela campanha”.

Ação em bares e restaurantes

A Coordenadoria da Mulher do TJAL, que tem à frente a desembargadora Elisabeth Carvalho, também vem promovendo ações em alguns bares e restaurantes da orla de Maceió. Nessa sexta (14), houve afixação de adesivos de conscientização com a mensagem “O silêncio não protege. Denuncie a violência contra a mulher”.

“Alguns estabelecimentos aderiram à causa, mas a ideia é fazer com a própria Associação dos Bares e Restaurantes do estado, para ampliar essa campanha. Quanto mais pessoas a gente conseguir informar, maior será a prevenção e o combate à violência”, destacou a juíza Marcella Garcia.

O material da campanha foi planejado e confeccionado com apoio da Diretoria de Comunicação (Dicom) do Tribunal de Justiça.

Fonte: TJAL

A
Fechar Menu