Portuguese PT English EN Spanish ES
Justiça goiana participa de reunião sobre Política de Trabalho no Sistema Prisional
Justiça goiana participa de reunião sobre Política de Trabalho no Sistema Prisional
Segunda reunião com o Grupo de Instituições, que discute ações para implementação da Política Nacional de Trabalho no âmbito do Sistema Prisional (PNAT) - Foto: Ascom TJGO
Compartilhe

O Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) coordenou  na última sexta-feira (20/1) a segunda reunião com o Grupo de Instituições, que discute ações para implementação da Política Nacional de Trabalho no âmbito do Sistema Prisional (PNAT). O encontro foi realizado na sede da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT) da 18ª Região, e teve o objetivo de fomentar e consolidar uma Política de Trabalho no Sistema Prisional goiano, a fim de viabilizar condições efetivas para que pessoas privadas de liberdade e egressas do sistema prisional tenham acesso a oportunidades de reinserção social, por meio de ocupação profissional.

Durante o encontro, foi deliberado sobre a elaboração de um termo de cooperação técnica, envolvendo representantes do sistema de Justiça, como Poder Judiciário estadual, Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO), Defensoria Pública estadual, Ministério Público de Goiás, Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) e classe advocatícia, além das instituições integrantes do “Sistema S” e conselhos da comunidade, a fim de que assumam compromissos compartilhados, direcionados para execução de um plano de trabalho com estratégias articuladas e ações conjuntas, sob a coordenação do TJGO e do MPT-GO.

“A nossa finalidade é articular iniciativas colaborativas e sustentáveis, voltadas ao direcionamento profissional de pessoas presas e egressas do sistema prisional”, ressaltou o juiz auxiliar da Presidência do TJGO, Reinaldo Dutra, que coordenou o encontro. O magistrado também destacou que o Grupo de Instituições “atua no fomento das políticas penitenciárias, no sentido de introduzir a sociedade civil, a iniciativa privada e os órgãos públicos no processo de ressocialização do preso, por meio de atividades profissionais”.

Na oportunidade também foi discutida sobre o levantamento de condições estruturais dos estabelecimentos prisionais e do “Sistema S” para a oferta de cursos voltados para qualificação de mão de obra, além do levantamento de pessoas presas e egressas elegíveis para o trabalho, bem como o nível de escolaridade e qualificação dos apenados. A fiscalização das condições de trabalho de servidores do sistema prisional, de pessoas presas e egressas, também foi tema de debate na convenção.

Parceria institucionais

Conforme o Termo de Cooperação Técnica n. 37/2020 firmado entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Ministério Público do Trabalho (MPT), as instituições visam a cooperação mútua para a realização de estudos, desenvolvimento de metodologias de inspeção prisional e o aprimoramento de práticas estruturantes para a implementação da PNAT.

As ações decorrentes da parceria firmada no termo ainda estabelece a necessidade de contribuição dos órgãos para a difusão de informações referentes às cotas legais de vagas, previstas pela legislação nacional, por meio do Decreto da Presidência da República n.º 9.450/2018, e estadual, conforme Decreto do Governo do Estado de Goiás n.º 9.567/2019. Os documentos versam sobre a adequação das condições de trabalho de servidores e pessoas presas, bem como sobre a inserção produtiva e possibilidades de inserção sociolaboral para pessoas egressas do sistema, conforme a Resolução CNJ nº 307.

O procurador-chefe do MPT-GO, Alpiniano do Prado Lopes, destacou, durante a reunião, que “o Ministério Público do Trabalho tem grande expectativa sobre o projeto propulsionador da atividade profissional do preso, já que, de fato, proporcionará a efetiva ressocialização, além de desafogar o sistema prisional e reduzir os custos do Estado com manutenção dos apenados”. Prado Lopes também ressaltou que o programa atua ainda na prevenção do retorno dos egressos ao mundo do crime.

Integração

Goiás é um dos onze estados que integra a iniciativa “Ação Nacional de Trabalho e Renda de Pessoas em Privação de Liberdade e Egressas”, fomentada pelo CNJ, por meio do Programa Fazendo Justiça, desenvolvido em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Também participaram da reunião sobre PNAT, o promotor de Justiça do Ministério Público de Goiás (MPGO), Felipe Oltramari; os defensores públicos estaduais Mirela Cavichioli e Carlos Augusto Santiago Júnior; o diretor-geral da DGAP, Josimar Pires; a assistente executiva do juiz auxiliar da Presidência do TJGO, Brenna Martins; além de representantes do Sistema S, Fabrício Borges, Fernanda Marques; e Mara Lopes, e das responsáveis pelo Programa de Estágio do IEL Goiás e do Conselho da Comunidade de Aparecida, Paula Denise Neto e Berenice Genito, respectivamente. E, ainda, a secretária estadual de Desenvolvimento Social, Ana Luísa Freire; da coordenadora estadual do Programa Fazendo Justiça (CNJ/PNAUD), Adriana Raquel Costa Oliveira, e dos assessores do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Estado de Goiás (GMF-GO), Rodolfo Evangelista e Leandro Cardoso.

Fonte: TJGO

Macrodesafio - Aprimoramento da gestão da Justiça criminal

A
Fechar Menu