Portuguese PT English EN Spanish ES
GT debate padrão para instalação de varas criminais colegiadas
GT debate padrão para instalação de varas criminais colegiadas
GT debate parâmetros para instalação de varas criminais colegiadas nos tribunais brasileiros. Foto: Luiz Silveira/CNJ

Em reunião no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na quarta-feira (12/2), o Grupo de Trabalho (GT) sobre segurança institucional e segurança pública, coordenado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, deu início à discussão dos parâmetros mínimos para instalação de varas criminais colegiadas nos tribunais brasileiros. “A ideia é de que em cada estado e na Justiça Federal os tribunais façam a instalação dentro de um padrão nacional. Principalmente para que as varas colegiadas contra o crime organizado possam ser interligadas com o setor de inteligência. Tanto para favorecer o combate ao crime organizado como para permitir uma maior segurança dos magistrados”, afirmou o ministro.

A criação de varas colegiadas para instrução, julgamento e execução das penas de delitos cometidos por organizações criminosas foi um pedido dos próprios magistrados. Inclusive a efetivação de colegiados para analisar crimes de maior gravidade foi apontada como a medida de segurança mais importante por 48,5% dos juízes de primeiro grau e 52,8% dos juízes de segundo grau, na pesquisa Quem Somos – a magistratura que queremos, encomendada pela Associação de Magistrados Brasileiros (AMB) e divulgada em fevereiro do ano passado.

“Fizemos um cronograma e vamos nos reunir com todos os presidentes dos tribunais de justiça, dos tribunais regionais federais e do Conselho da Justiça Federal, para que, de um consenso, saia o melhor modelo de combate rápido e efetivo ao crime organizado e seguro para os magistrados que irão trabalhar nessas varas”, explicou Moraes. Ficou marcado para o dia 25 de março, às 9h30, o encontro com os representantes dos tribunais para concluir a elaboração de minuta de recomendação sobre o tema.

Grupo de trabalho

O objetivo do grupo de trabalho, instituído pela Portaria CNJ n. 147/2018, é coordenar e planejar a atuação administrativa do Poder Judiciário para aprimorar a eficiência das decisões judiciais dentro do contexto da segurança pública. As atribuições incluem promover estudos sobre reflexos, no âmbito do Poder Judiciário, de políticas públicas relacionadas à temática da segurança pública.

Também estão na pauta dos trabalhos sugerir diagnósticos; identificar possibilidades de cooperação com órgãos do Poder Executivo, tendo por objeto a promoção de maior eficiência das decisões judiciais e o aprimoramento das políticas de segurança pública; e apresentar propostas. O GT encerrará suas atividades com apresentação de relatório e propostas até 31 de julho.

Paula Andrade
Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu