Portuguese PT English EN Spanish ES
Colegiados garantem imparcialidade em julgamentos militares
Colegiados garantem imparcialidade em julgamentos militares
Foto: Rômulo Serpa/CNJ

Ao debater o modelo de julgamento dos tribunais militares, o presidente do Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais (TJMMG), desembargador Fernando José Armando Ribeiro, destacou que a fundamentação de uma decisão é o que legitima a voz do julgador, mesmo que ele se veja diante da necessidade de responder a um desafio contramajoritário. O magistrado participou do I Seminário sobre o Direito e a Justiça Militar, promovido na terça (21) e na quarta-feira (22) pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ao apresentar o Painel “A legitimação democrático-constitucional do escabinato”, ele traçou um panorama histórico e conceitual do modelo de julgamento que reúne a experiência que juízes militares trazem dos quartéis e o conhecimento jurídico de magistrados e magistradas civis. Segundo o presidente do TJMMG, os questionamentos que apontam o escabinato como uma contradição à imparcialidade judicial, ignoram que o direito se revela na dimensão da aplicação da ressignificação da norma que o caso concreto exige.

Para ele, muitas críticas ao escabinato são contraditórias, principalmente porque o modelo pode perfeitamente estar integrado ao Estado de Direito e à imparcialidade judicial. “Diversos julgamentos do Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais causaram impacto na corporação e foram logo aceitos por trazerem argumentos razoáveis e contribuíram para a adequação dos estatutos da instituição. Contribuíram para o aprimoramento institucional perante a sociedade.”

Juiz da 4a Auditoria do TJMMG, André de Mourão Mota esclareceu que o escabinato é composto por oficiais que integram o Conselho de Justiça Militar. “As instituições militares têm conceitos e culturas próprias que devem ser trazidos ao julgamento por conta do interesse na manutenção dos princípios basilares de hierarquia e disciplina”, observou. Ele ressaltou que o colegiado é composto por oficiais de patentes diversas, o que garante que seja democrático. “A legitimação da composição do Conselho advém não só da Constituição, como também da própria sociedade.”

O equilíbrio e a democracia proporcionada pelo modelo foi ressaltada pelo mediador do painel, conselheiro do CNJ Marcus Vinícius Jardim Rodrigues. “O escabinato é salutar porque amplifica a democracia e gera maior equilíbrio a esses colegiados quando comparados àqueles exclusivamente técnicos”, afirmou. Segundo ele, ao se analisar o modelo, é preciso não olhar apenas para as pessoas que integram o colegiado, mas considerar que o equilíbrio se dá pela fundamental e pelo balizamento legal.

Competência

Na sequência, foi apresentado o painel “A Justiça Militar na Jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça”, em que ministro do STJ Joel Ilan Paciornik abordou a conceituação de crime militar sob a ótica da Lei nº 13.491/2017 e examinou uma série de casos concretos julgados pelo Tribunal que envolveu conflitos de competência. Paciornik explicou que existe uma diferenciação entre crime militar próprio e impróprio, sendo que o último pode estar previsto em outras legislações. “São inúmeras hipóteses que tornam rico o debate no contexto prático e muitos casos atraem a competência da justiça castrense.”

Também participaram do evento, no painel “A Justiça Militar do Estado de São Paulo”, o presidente do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo (TJMSP), Clovis Santinon, o coronel Orlando Eduardo Geraldi, também do TJMSP, e o juiz auxiliar da Presidência do CNJ Fernando Mello. No painel “A importância da Justiça Militar estadual no Estado Democrático de Direito”, debateram o assunto o conselheiro do CNJ Luiz Fernando Tomasi Keppen, o diretor da Escola Judicial Militar do TJMRS, desembargador Amilcar Fagundes Freitas Macedo, e o procurador de Justiça do Ministério Público do Rio Grande do Sul Alexandre Lipp João.

No encerramento do Seminário, o conselheiro André Godinho, que preside a Comissão Permanente de Aperfeiçoamento da Justiça Militar do CNJ, destacou que, além de promover o debate de temas de grande relevância, o evento contribuiu para uma aproximação ainda maior dessa justiça especializada com o Conselho. Ele defendeu a realização anual de seminários para tratar da Justiça Militar.

Jeferson Melo
Agência CNJ de Notícias

Reveja ao segundo dia do encontro (tarde) no canal do CNJ no YouTube

Veja mais fotos no Flickr do CNJ
22/09/2021 I Seminário sobre o Direito e a Justiça Militar no Brasil  (tarde)

A
Fechar Menu