Tribunal paranaense adere ao Pacto Nacional do Judiciário pela Equidade Racial

No “Dia Internacional contra a Discriminação Racial”, o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJPR) destaca a importância da promoção da igualdade de gênero e raça. Dentre as últimas ações realizadas com esta finalidade está a adesão ao Pacto Nacional do Judiciário pela Equidade Racial, lançado pelo Conselho Nacional

Justiça Federal da 2ª Região adere a pacto do CNJ para combater racismo estrutural

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) acaba de aderir ao Pacto Nacional do Judiciário pela Equidade Racial, iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que visa a fomentar a representatividade racial, desarticular o racismo institucional, implementar políticas públicas relacionadas ao tema, realizar estudos sobre a realidade racial no

Pacto pela Equidade Racial na pauta do Link CNJ desta quinta-feira (22/12)

No último dia 25, o Conselho Nacional de Justiça lançou o Pacto pela Equidade Racial com o objetivo de aumentar a presença de pessoas negras (pretos e pardos) atuando no Poder Judiciário. A ministra Rosa Weber, presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, destacou que o pacto representa o

O Pacto Nacional do Judiciário pela Equidade Racial tem a adesão do CNJ, do TST e do STJ

Pacto cria mecanismos para promover ações de equidade racial no Judiciário

Fomentar a representatividade racial, desarticular o racismo institucional, implementar políticas públicas baseadas em evidências e estabelecer articulação interinstitucional para ampliar o diálogo com órgãos do Sistema de Justiça e movimentos sociais organizados: essas são as diretrizes previstas no Pacto Nacional do Judiciário pela Equidade Racial, apresentado pela presidente do Conselho

Poder Judiciário lança Pacto pela Equidade Racial nesta sexta-feira (25/11)

O Relatório para Igualdade Racial no Poder Judiciário, elaborado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), aponta que, se mantido o ritmo atual, o índice de cargos da magistratura brasileira ocupados por pessoas negras será de 22% somente em 2044. Para reverter esse prognóstico e sedimentar o compromisso com a legislação