Portuguese PT English EN Spanish ES
Digitalização de processos para o PJe é testada em Rondônia
Digitalização de processos para o PJe é testada em Rondônia

Mais uma ferramenta de melhoria do Processo Judicial Eletrônico (PJe) está sendo testada pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), que colabora na busca de soluções para otimizar o sistema. Trata-se da digitalização dos processos físicos para importação para a plataforma, que está sendo aplicada como projeto-piloto na 6ª Vara Cível de Porto Velho.

A digitalização é um sistema que a informática já havia desenvolvido para transpor um processo do 1º grau (físico) para o Sistema Digital do Segundo Grau (SDSG). Como era usado há algum tempo, tinha características maduras para reaproveitamento como reconhecimento ótico de imagens, o que permite migrar os processos de forma leve e eficiente.

“A contribuição da informática do TJRO foi aproveitar a digitalização para o PJe”, contou o técnico Pablo Filleti Moreira, que participou da maratona do PJe, iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) voltada para a melhoria do sistema por meio do desenvolvimento colaborativo de ferramentas pelos profissionais da área de tecnologia dos tribunais.

A solução apresentada no CNJ agora está sendo testada como piloto, com bastante eficiência. “Estamos fazendo algumas correções, como a contagem de prazos e aumento da porta de entrega do PJe para processos com grande volume”, observou Pablo, sobre os ajustes que estão implantando.

A grande vantagem da digitalização é que ela proporciona a unificação dos sistemas. Hoje, são vários em uso no Poder Judiciário de Rondônia (SAP, Projudi, SDSG, PJe). A ideia é que todos sejam tramitados eletronicamente.

A integração desses sistemas diminui o tempo de trabalho. Hoje, quando entra um novo servidor no cartório, por exemplo, é preciso treiná-lo em ao menos três sistemas diferentes. O mesmo ocorre com os relatórios, que precisam ser gerados em cada sistema.

 

Fonte: TJRO

A
Fechar Menu