Oficina da Parentalidade Prateada

uma porta de acesso à Justiça

Autores

  • Monize da Silva Freitas Marques Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios
  • Vicente Paulo Alves Universidade Católica de Brasília

Palavras-chave:

Pessoas Idosas, Mediação, Acesso à Justiça, Oficina, Comunicação não-violenta

Resumo

O trabalho apresenta um modelo de oficina, nominado Oficina da Parentalidade Prateada, que amplia o conceito de parentalidade trabalhado pelo Conselho Nacional de Justiça. A pesquisa pretendeu verificar de que modo a Central Judicial do Idoso – CJI poderia sensibilizar famílias em conflito, ampliando o acesso à Justiça. Além disso, objetivou: 1) discorrer sobre os conflitos familiares que envolvem pessoa idosa; 2) refletir sobre a resolução adequada de conflitos como meio de acesso à Justiça; 3) investigar a mediação como um caminho de solução de conflitos baseado no diálogo; 4) compartilhar a experiência da CJI; 5) propor uma Oficina como instrumento de promoção de Justiça com o objetivo de facilitar o diálogo por meio da comunicação não violenta. A proposição da Oficina se apresenta como uma intervenção na realidade existente, utilizando-se, para tanto, a pesquisa-ação.

Biografia do Autor

Monize da Silva Freitas Marques, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios

Juíza Coordenadora da Central Judicial do Idoso desde 2012 e do 2º Núcleo Virtual de Mediação e Conciliação do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Especialista em Direito Processual Civil e Mestre em Gerontologia.

Vicente Paulo Alves, Universidade Católica de Brasília

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo, professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gerontologia da Universidade Católica de Brasília.

Downloads

Publicado

2022-06-21