Justiça itinerante e gestão judiciária

a experiência do Tribunal de Justiça do Amapá à luz da Recomendação nº 37/2019, do Conselho Nacional de Justiça

  • Rosa Maria Dias de Almeida Tavares Silva TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ
  • Esclepíades de Oliveira Neto TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ
  • Adriana Moraes de Carvalho TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ
Palavras-chave: Justiça Itinerante, Acesso à Justiça, Gestão, Conselho Nacional de Justiça

Resumo

O presente artigo trata do Programa Justiça Itinerante Fluvial do Tribunal de Justiça do Amapá, objetivando analisá-lo à luz da Recomendação CNJ nº 37/2019 e dos conceitos de acesso à justiça, planejamento estratégico e inovação gerencial. Para responder à pergunta-problema “qual o modelo de gestão judiciária deve ser adotado pelo TJAP para coadunar seu programa de itinerância fluvial à Recomendação CNJ nº 37/2019?”, empregou-se como metodologia, a pesquisa bibliográfica e o estudo de caso. A hipótese segundo a qual a gestão judiciária estratégica é o modelo que deve ser adotado foi confirmada. Concluiu-se que o modelo de gestão judiciária estratégica implementada pelo Programa do TJAP concretiza as diretrizes da Recomendação CNJ nº 37/2019 e potencializa a solução pacífica dos conflitos com eficiência, eficácia e efetividade social.

Biografia do Autor

Rosa Maria Dias de Almeida Tavares Silva, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ

Assessora Jurídica do Juizado da Infância e da Juventude - Execução de Medidas Socioeducativas - de Macapá/AP. Bacharel em Direito e em Comunicação Social.

Esclepíades de Oliveira Neto, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ

Juiz de Direito, titular do Juizado da Infância e da Juventude - Execução de Medidas Socioeducativas - de Macapá/AP. Professor da Escola Judicial do Amapá credenciado na ENFAM. Especialista em Pedagogia Jurídica e Direito Processual Penal.

Adriana Moraes de Carvalho, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ

Analista Judiciária do Tribunal de Justiça do Amapá – Especialidade Estatística, lotada na Assessoria de Planejamento e Organização, Mestre em Estatística pela Universidade Federal do Pará.

Publicado
2020-06-15