Portuguese PT English EN Spanish ES
Tribunal militar de São Paulo adere à campanha Adotar É Amor
Tribunal militar de São Paulo adere à campanha Adotar É Amor
Foto: Thelma Kai/TJMSP
Compartilhe

Em uma ação para conscientizar a sociedade sobre a importância da adoção, o Tribunal de Justiça Militar de São Paulo (TMJSP) iluminou a fachada de sua sede, na capital paulista, com a cor roxa, símbolo da campanha Adotar É Amor. Além disso, o TMJSP também está incentivando suas equipes e a população a participarem da mobilização digital #AdotarÉAmor, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde 2017. A mobilização irá promover um twittaço nesta quarta-feira (25/5), a partir das 10h, com a hashtag #AdotarÉAmor.

Para incentivar a participação, o CNJ disponibilizou diversos conteúdos na página da campanha, que podem ser compartilhados nas redes sociais – material para Twitter, Instagram, Facebook e Stories. A mesma identidade visual estará estampada em faixas exibidas nos jogos do Brasileirão, até o dia 30 de maio.

O convite vai além dos tribunais e órgãos do Judiciário: a sociedade, influenciadores e personalidades podem postar nas redes sociais a hashtag #AdotarÉAmor e colocar a adoção nos assuntos mais comentados do dia. A ação tem o objetivo de mobilizar e sensibilizar as pessoas sobre a adoção, levar informação e desmitificar o tema.

Cenário no Brasil

Segundo dados do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), há pouco mais de 4,1 mil crianças e adolescentes aptos para adoção. Desses, a maior parte não está mais na faixa etária da primeira infância: 3.237 têm mais de seis anos. Apenas 282 são bebês, com menos de dois anos de idade.

Nos últimos anos, o CNJ tem registrado um número maior de adoções de crianças de “difícil colocação” – deficientes, com doenças, grupos de irmãos ou crianças mais velhas. Atualmente, cerca de 17% das crianças aptas para adoção têm problemas de saúde; 10% têm algum tipo de deficiência; 2.207 possuem um irmão ou mais. Também estão habilitados no SNA mais de 33,1 mil pretendentes.

Fonte: TJMSP

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu