Portuguese PT English EN Spanish ES
Tribunal de Justiça de Minas Gerais se destaca na realização de videoconferências
Tribunal de Justiça de Minas Gerais se destaca na realização de videoconferências
Foto: TJMG

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) elaborou um relatório para apresentar uma visão analítica da utilização de videoconferência nos tribunais brasileiros. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) foi a segunda unidade judiciária do país a utilizar a plataforma desenvolvida pelo CNJ para reuniões virtuais. Foram 5.827, no período de 1º de abril a 18 de maio.

Plataforma Emergencial de Videoconferência para Atos Processuais – Cisco Webex foi desenvolvida e disponibilizada para utilização pelo CNJ com o objetivo de proporcionar maior agilidade e eficiência na rotina de trabalho dos magistrados brasileiros.

Atualmente, os tribunais utilizam o recurso da videoconferência por intermédio da chamada infovia do Judiciário. Essa tecnologia usa linhas de comunicação dedicadas especialmente para o encontro virtual. A plataforma conecta os tribunais entre si, bem como o CNJ e os Conselhos da Justiça Federal e Superior da Justiça do Trabalho.

Em 24 de março, por exemplo, a Comarca de Uberaba realizou uma audiência remota que determinou a continuidade da prisão do servente de pedreiro Diego Vagner Carvalho Silva, acusado de latrocínio. Outras audiências vêm sendo realizadas em Uberaba com o mesmo propósito.

Saiba como são realizadas as audiências de videoconferência  no TJMG.

Celeridade e produtividade

O presidente do TJMG, desembargador Nelson Missias de Morais, destaca que a adoção da videoconferência como ferramenta tecnológica permite maior celeridade e produtividade, além de economia e racionalidade na condução da marcha processual.

O atual cenário tem apontado para o uso de tecnologias como o processo eletrônico, que cresce exponencialmente como padrão de movimentação processual no País. A inserção dessas ferramentas inovadoras no Poder Judiciário o deixa próximo das evoluções contemporâneas da sociedade.

“A elogiosa posição do TJMG, entre os principais tribunais que utilizam a solução de videoconferência para ouvir partes e seus representantes, demonstra o acerto na sequência de ações que temos adotado desde o início de nossa gestão, para obter a melhor infraestrutura tecnológica possível e garantir uma prestação jurisdicional cada dia mais célere e eficaz.”

Crime organizado

Entre várias videoconferências realizadas de ampla relevância, a 1ª Vara Criminal de Belo Horizonte promoveu, de 31 de janeiro a 10 de fevereiro, a oitiva de 17 testemunhas e 24 acusados em um processo que apurou crime de organização criminosa.

Contando com a capital, ao todo foram 11 pontos com transmissão simultânea, sendo quatro em comarcas do interior de Minas e seis em outros cinco estados.

Na oportunidade, a juíza Maria Isabel Fleck, titular da 1ª Vara Criminal, avaliou de forma positiva os trabalhos. “A Justiça não deve e não pode se abster de integrar-se à nova realidade”, afirmou ela, em relação ao uso dessa tecnologia, ressaltando que as garantias constitucionais dos acusados (contraditório e ampla defesa) nortearam todo o planejamento e execução da tomada de depoimentos à distância, via videoconferência.

Balanço CNJ

No total, foram realizadas no período 50.986 reuniões por videoconferência com duração média de 32 minutos. O número médio de participantes tem sido de quatro por sessão.

Até o momento, estão cadastrados na plataforma 10.594 usuários. Desse total, 8.402 já ativaram sua conta no portal Webex.

O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (Minas Gerais) realizou 7.235 audiências virtuais e foi o que mais utilizou a plataforma de videoconferência.

Fonte: TJMG

A
Fechar Menu