Portuguese PT English EN Spanish ES
SEEU chega ao Tribunal de Justiça de São Paulo em março
SEEU chega ao Tribunal de Justiça de São Paulo em março
Em agosto, uma comitiva do tribunal paulista visitou o Tribunal de Justiça de Pernambuco para conhecer a implantação do sistema - Foto: TJPE

O Sistema Eletrônico de Execução Unificado (SEEU), que já está em 30 tribunais do país e possui mais de 1 milhão de processos em tramitação, chegará em São Paulo no início de março. Segundo acordo fechado entre o Conselho Nacional de Justiça e o Tribunal de Justiça de São Paulo, o processo de implantação piloto começará com a digitalização de todos os processos de execução penal da unidade prisional de Casa Branca e envolverá capacitação de magistrados, servidores e outros atores do sistema de Justiça e a implantação dos processos. São Paulo é o estado com o maior número de processos de execução penal do país, com cerca de 600 mil.

A chegada experimental do SEEU ao TJSP dá continuidade à estratégia bem-sucedida de implantação desenvolvida pelo CNJ desde o ano passado, que permitiu um salto de processos implantados no sistema entre março e dezembro de 2019 – de cerca de 430 mil para mais 1.000.000 de processos. A expansão do SEEU é uma prioridade da gestão do ministro Dias Toffoli para garantir mais eficiência na prestação de Justiça e um dos principais eixos de ação do Justiça Presente, parceria entre o CNJ e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), com apoio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, para superar problemas estruturais no sistema prisional e socioeducativo.

O conselheiro supervisor do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF/CNJ), Mário Guerreiro, exaltou o alinhamento com o TJSP. “A chegada em São Paulo neste momento é estratégica. Vamos apresentar à Corte Estadual de São Paulo, a maior da América Latina, uma metodologia de trabalho que se qualificou pela implantação em outros Tribunais no Brasil. Ademais, quando se pensa no cenário da execução penal, subjacente o “estado de coisas inconstitucional” afirmado pelo Supremo Tribunal Federal, admitir a chegada dos processos de São Paulo a uma plataforma que é única em todo o país é motivo para ser celebrado, eis que encerra uma integração inédita e sem precedentes”, afirma.

Início

A chegada a São Paulo envolverá a digitalização de processos selecionados pela Corregedoria Geral de Justiça e que será executada junto ao Departamento de Execuções Criminais da Capital (DEECRIM), exclusivamente alcançando os que se encontram executando o cumprimento de pena privativa de liberdade na Penitenciária Joaquim de Sylos Cintra, em Casa Branca, interior do Estado. A digitalização e a implantação no sistema de todos os processos físicos ao longo dessa primeira etapa será realizada por equipe do CNJ/Pnud, e se estenderá até 30 de março, ocasião em que todas as execuções penais estarão habilitadas para tramitação em meio digital e eletrônico.

Em agosto de 2019, comitiva do TJSP viajou a Pernambuco, a convite do CNJ, para acompanhar o processo de implantação do SEEU no TJPE. Na oportunidade, desembargadores, magistrados e servidores da Corte paulista conheceram de perto o a dinâmica desenvolvida pelo CNJ para as ações, que envolvem planejamento conjunto e adaptações às realidades locais.

O desembargador Mário Devienne Ferraz, da 1ª Câmara Criminal do TJSP, afirmou, à época, que o principal benefício da digitalização dos processos é a padronização do sistema na área de Execução Penal e a maior facilidade de comunicação sobre a situação do apenado em todo o país. “Ficamos sabendo facilmente se um preso é réu primário, ou se cometeu crime em outro Estado da Federação, então, temos como proferir uma decisão com subsídios mais precisos, de forma mais rápida. Como o sistema de informações é unificado, não precisaremos mais solicitar arquivos sobre o histórico do apenado, podemos visualizar de forma real, o que vai trazer muita mais segurança jurídica e transparência na área de execução penal, para o próprio acusado, para a adoção de medidas como concessão de liberdade provisória, por exemplo”, disse o magistrado.

Santa Catarina

Santa Catarina iniciou nesta segunda-feira (17/2) projeto-piloto de implantação do SEEU. Neste primeiro momento, serão implantados todos os processos de execução penal em curso pela Vara Militar do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). O objetivo, assim como em São Paulo, é permitir que atores locais conheçam e se familiarizem com o sistema eletrônico que já está em operação em 28 Tribunais de todo o país. Em dezembro de 2019, o TJSC participou de outra missão do CNJ, desta vez com destino ao Ceará. Juntamente ao TJRJ e TJAM, magistrados e servidores acompanharam a migração automatizada de dados entre e-SAJ e SEEU, ferramenta que agiliza o processo, além de reuniões sobre a organização da implantação (procedimentos, atos normativos e tamanho da equipe).

Iuri Tôrres
Agência CNJ de Notícias

 

A
Fechar Menu