Portuguese PT English EN Spanish ES
Protocolo ajudará em cumprimento de decisões de reintegração digna de posse
Protocolo ajudará em cumprimento de decisões de reintegração digna de posse
Reunião do Grupo de Trabalho destinado à elaboração de Protocolo de Reintegração Digna de Posse. Foto: Rômulo Serpa/CNJ

Assegurar o integral cumprimento de decisões judiciais de reintegração de posse, de forma pacífica e levando em consideração questões sociais. Esse é o objetivo do grupo de trabalho do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que se reuniu nessa quinta-feira (16/12) para a elaboração do Protocolo de Reintegração Digna de Posse, com a coordenação do conselheiro Sidney Madruga.

“Há demanda grande sobre essa questão e muitas ações julgadas em primeira e em segunda instância sobre reintegração de posse não estão sendo cumpridas. Com esse grupo de trabalho e o protocolo iremos colaborar para que essas decisões judiciais sejam cumpridas, mas com preocupação com as questões sociais”, afirmou o conselheiro chamando a atenção para o termo “Reintegração Digna de Posse” no protocolo que será elaborado.

Na primeira reunião realizada pelo grupo, ficou definido que os primeiros passos serão consultar Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais, além de mapear as principais demandas relativamente a reintegração de posse. E ainda verificar se os órgãos possuem grupos ou comissões de apoio no cumprimento dessas decisões.

Será estabelecido um diálogo permanente com órgãos do governo federal e de alguns estados e prefeituras que acompanham demandas fundiárias. Em outra frente, membros do grupo de trabalho também deverão visitar algumas localidades em que há maior complexidade no cumprimento de decisões judiciais para reintegração digna de posse. A finalidade é colaborar para que as determinações sejam cumpridas, levando em consideração as demandas sociais existentes e, assim, evitar confrontos.

O desembargador Luiz Fernando Tomasi Keppen, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), ex-conselheiro do CNJ e integrante do grupo, avaliou que as decisões judiciais têm de ser cumpridas com planejamento. “Esse é um tema absolutamente importante que envolve direitos fundamentais e se as reintegrações de posse não forem bem planejadas e bem executadas podem gerar situações concretas de violência.”

Outros integrantes do grupo relataram casos exitosos de reintegração de posse e exemplos sem sucesso que devem ser evitados. O juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Rodrigo Capez informou que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) e a Polícia Militar do estado possuem experiência no tema, sugerindo que sejam consultados. Outros integrantes relataram casos exitosos de reintegração de posse e exemplos sem sucesso que devem ser evitados.

A juíza Cláudia Silvia de Andrade, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), relatou que o estado possui várias demandas fundiárias e sugeriu que os trabalhos considerem a possibilidade de uma estrutura de apoio a magistrados e oficiais de justiça no cumprimento das decisões judiciais. O defensor público federal Pedro Rennó Marinho explicou que, em muitas dessas situações, fica evidenciado um problema social que demanda efetiva solução. Isso para evitar um ciclo vicioso alimentando por violações de direitos, invasões, reintegrações de posse e desalojamentos.

Também participaram da reunião o juiz auxiliar da Presidência do CNJ João Moreira Pessoa de Azambuja e o diretor do Departamento de Segurança Institucional do Poder Judiciário do CNJ, Luiz Octávio de Carvalho Penna. No início deste ano, o CNJ aprovou a Recomendação CNJ n. 90/2021, orientando a magistrados e magistradas que, durante a pandemia da Covid-19, adotem as devidas cautelas em decisões judiciais que tratem de soluções de conflito na desocupação coletiva de imóveis urbanos e rurais.

Luciana Otoni
Agência CNJ de Notícias

Veja mais fotos no Flickr do CNJ
(para navegar, use as setas à direitas e à esquerda sobre a foto a seguir)
16/12/2021 Reunião com os membros do Grupo de Trabalho destinado à elaboração de Protocolo de Reintegração Digna de Posse

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu