Portuguese PT English EN Spanish ES
Plenário mantém arquivamento de processo que questiona vacância de cargo pelo TJRJ
Plenário mantém arquivamento de processo que questiona vacância de cargo pelo TJRJ
304ª Sessão Ordinária do CNJ - Foto:Gil Ferreira/Agência CNJ

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) negou provimento a um recurso que questionava decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) de manter vago o cargo de juiz titular da Vara de Execuções Penais por longo período e de forma permanente.

O corregedor nacional de Justiça e relator, ministro Humberto Martins, apresentou voto no sentido de que não há uma situação excepcional que demande, por ora, a intervenção do CNJ, uma vez que a questão baseia-se na organização do Poder Judiciário local e na gestão do TJRJ, que, em princípio, deve ser resolvida internamente.

Autonomia

“Em meu sentir, a questão referente à organização judiciária, em regra, é vinculada à autonomia do Tribunal de Justiça, ao qual compete a adoção das medidas tendentes a suprir a demanda pela entrega da prestação jurisdicional, conforme dispõe o artigo 96, I, da Constituição Federal”, afirmou Martins.

O corregedor nacional destacou também que, segundo informações do TJRJ, aconteceu a implementação de melhorias significativas na Vara de Execução Penal, como a “digitalização integral de todo o acervo, otimização das instalações cartorárias e a implantação de sistema informatizado inteligente”, bem como a designação do juiz de Direito Rafael Estrela da Nóbrega, “lá permanecendo na condução dos trabalhos até a presente data”.

A maioria dos conselheiros seguiu o entendimento do relator negando provimento ao recurso. Ficaram vencidos os conselheiros Flávia Pessoa, Marcos Vinicius Rodrigues e Maria Tereza Uille que votaram no sentido de dar provimento ao recurso, com a fixação do prazo de um ano para a reorganização da estrutura da Vara de Execuções de Penais pelo TJRJ.

Corregedoria Nacional de Justiça

A
Fechar Menu