Plenário aprova resolução que altera distribuição de recursos para gastos com pessoal em órgãos do Poder Judiciário da União

You are currently viewing Plenário aprova resolução que altera distribuição de recursos para gastos com pessoal em órgãos do Poder Judiciário da União
Compartilhe

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou proposta de resolução (Resolução n. 177) que altera os percentuais definidos como limite para despesas com pessoal e encargos sociais para os órgãos do Poder Judiciário da União. A proposta, aprovada por unanimidade na 173ª Sessão Extraordinária do Conselho, na terça-feira (6/8), altera de 0,006% para 0,017% o limite imposto ao CNJ para gastos com pessoal e encargos sociais e reduz proporcionalmente os limites destinados às despesas de outros órgãos do Poder Judiciário da União (Superior Tribunal de Justiça, Justiça Federal, Justiça Militar, Justiça Eleitoral e Justiça do Trabalho).

“A providência em questão não visa alterar o limite para despesas com pessoal e encargos sociais no Poder Judiciário, que é de 6% da receita corrente líquida. O acréscimo no limite destacado para o CNJ implica, na verdade, redução no limite destinado aos demais órgãos do Poder Judiciário, exceto o STF, a ser feito de forma proporcional à atual participação no limite total do Poder Judiciário, mantendo inalterado, portanto, o limite estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, ministro Joaquim Barbosa, ao apresentar a proposta.

O ministro justificou a mudança na distribuição dos recursos pela necessidade de provimento de cargos e funções ao CNJ, criados pela Lei n. 12.463/2011, e pela criação de duas novas estruturas no CNJ (o Departamento de Pesquisas Judiciárias e o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas). Segundo Joaquim Barbosa, o Conselho conta hoje com 114 servidores efetivos para cumprimento de suas funções constitucionais.

Ao apresentar a proposta ao Plenário, Joaquim Barbosa destacou a “necessidade imperativa” de observância da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) pelos órgãos do Poder Judiciário. “O CNJ não executou, nem executará, qualquer despesa que ultrapasse o limite legalmente imposto ao Poder Judiciário pelo artigo 20 da Lei de Responsabilidade Fiscal, também calcado no artigo 169 da Constituição Federal”, disse o ministro.

O ministro lembrou ainda a anuência expressa dos presidentes dos tribunais superiores em relação à medida e à necessidade de dotar o CNJ de meios adequados ao cumprimento de suas funções constitucionais. A íntegra da Resolução CNJ n. 177 foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta quarta-feira (7/8).

Tatiane Freire
Agência CNJ de Notícias