Portuguese PT English EN Spanish ES
Órgãos de Goiás fortalecem adesão ao Pacto Nacional pela Primeira Infância
Órgãos de Goiás fortalecem adesão ao Pacto Nacional pela Primeira Infância
Compartilhe

Representantes de todos os poderes e de diversas instituições de Goiás reforçaram, na terça-feira (12/4), a adesão ao Pacto Nacional pela Primeira Infância e instituíram o Comitê Goiano para a implementação das ações em prol dos direitos das crianças de zero a seis anos de idade. O Pacto é uma iniciativa celebrada entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e atores da rede de proteção à primeira infância.

De acordo com o conselheiro do CNJ Richard Pae Kim, estudos e pesquisas demonstram que os primeiros seis anos de vida são fundamentais para o desenvolvimento na vida adulta. “Agradeço o apoio de Goiás em aderir o Pacto e todas as autoridades que aqui estão têm muito a contribuir para mudar a vida dessa população”, afirmou. Para ele, as ações alinhadas pelos poderes e instituições “mudarão as estruturas e o cenário em Goiás em prol dessas meninas e meninos”.

Pae Kim, que também coordena o Fórum Nacional da Infância e da Juventude (Foninj), explicou que não faltam legislação e tratados que defendem os direitos das crianças e dos adolescentes, como os 32 anos da Convenção dos Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas (ONU), os 32 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente e os seis anos do Marco Legal da Primeira Infância. “O grande problema é a distância entre o dever ser e o ser.”

O presidente do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), desembargador Carlos França, destacou que “cuidar da primeira infância deve ser sempre uma prioridade do gestor e das autoridades”. “Nós temos de nos empenhar ao máximo nas ações nesta área, fundamental para o desenvolvimento humano, e estou certo que esse evento é apenas o pontapé inicial. Que na prática nós possamos realmente fazer as ações acontecerem.”

Parceria

O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Wellington Matos de Lima, espera que a parceria fortaleça os programas e as ações desenvolvidos pelo governo. “Que o Pacto Nacional da Primeira Infância englobe todas as crianças que devem receber a proteção do Estado e da sociedade civil e traga a perspectiva de uma mudança para melhor.”

Para o deputado estadual Lissauer Vieira, presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, a adesão significa que os “poderes estão unidos em prol de uma pauta extremamente importante”. Ele acrescentou que deputados e deputadas estaduais vão se reunir e debater com as prefeituras para promoverem uma grande ação em Goiás. “O investimento na primeira infância contribuirá para o desenvolvimento dessas crianças e melhoria da qualidade das nossas famílias.”

Procurador-geral da Justiça, Aylton Vechi comentou a relevância do diálogo entre poderes e instituições no estado. “Esse é o início de uma construção coletiva, que deverá ser concreta e efetivamente implementada”, afirmou. O defensor público-geral de Goiás, Domilson Rabelo da Silva Júnior, lembrou a responsabilidade do poder público perante crianças e adolescentes. “Que possamos, em rede, pactuar e fortalecer a proteção da primeira infância para um futuro mais justo e solidário.”

Creches

A articulação dessa nova parceria em Goiás foi articulada pelo TJGO em parceria com o presidente do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO), conselheiro Edson Ferrari. De acordo com Ferrari, o Pacto conta com 260 signatários atualmente e Goiás enriquecerá o acordo, além de estimular a adesão de outras instituições da sociedade civil.

O TCE-GO foi escolhido pelo Foninj para elaborar gráficos e mapas com demonstrativos dos indicadores dos 5.570 municípios e dos 27 estados do país a respeito da primeira infância. O Portal do Pacto Nacional pela Primeira Infância será apresentado oficialmente no dia 26 de abril, aos presidentes de TCEs, em Belo Horizonte, e nos dias 28 e 29, em Brasília, durante o Seminário Nacional do Pacto pela Primeira Infância, realizado pelo CNJ.

No Portal, os dados trarão indicadores como vermelho, amarelo e verde. Três referentes à primeira infância em Goiás apresentam uma realidade de alerta máximo, informou Ferrari durante o evento. Os números de mortalidade materna, de partos cesáreos e de crianças em creches de Goiás, relativos a 2020, ficaram abaixo dos indicadores ideais, se comparados aos de nível nacional.

“O momento é de assumirmos as atividades para trazer benefícios para esse público”, afirmou o conselheiro do TCE-GO. Em 2020, Goiás teve 72 mortes maternas a cada 100 mil nascidos vivos. A média brasileira foi de 67. Os partos cesáreos representaram 68% do total no estado, enquanto no país eles foram 57%. Em relação às creches, enquanto 29% das crianças no Brasil tiveram acesso, em Goiás eram 20%, o que aumenta sua vulnerabilidade.

Para Ferrari, que conta com o apoio de uma equipe técnica especializada em saúde pública, é preocupante a situação vivida por considerável parcela das gestantes brasileiras e seus filhos de zero a seis anos de idade. Segundo ele, o Tribunal de Contas está tendo a oportunidade de realizar uma abordagem social e pretende a aproveitar de forma efetiva. “Precisamos de uma política de convencimento e de efetividade nessa ação.”

Acolhimento

O presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon), Cézar Miola, pontuou que os tribunais devem ir além da função fiscalizadora para “ajudar os gestores públicos e os agentes responsáveis pelas políticas públicas. Temos muito a fazer no cuidado e no acolhimento das crianças e dos adolescentes”.

Dom João Justino de Medeiros Silva, arcebispo metropolitano de Goiânia, reforçou que a Arquidiocese de Goiânia firma o “compromisso histórico de cuidar da primeira infância e somar às ações do Pacto a experiência da Igreja católica com a Pastoral da Criança”. “Uma criança vale o mundo.”

Já o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, firmou compromisso com a iniciativa. “Goiás e Goiânia farão um trabalho relevante para nossas crianças”, ressaltou. E acrescentou que “a gestão do município de Goiânia agirá na direção do atendimento da primeira infância”.

Agência CNJ de Notícias
(com informações do TJGO)

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

A
Fechar Menu