Portuguese PT English EN Spanish ES
CNJ define critérios para nomeação de diretor da Escola da Magistratura do Amazonas
CNJ define critérios para nomeação de diretor da Escola da Magistratura do Amazonas

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu que, para ser diretor da Escola Superior de Magistratura do Amazonas (Esmam), basta que o desembargador tenha sido, a qualquer tempo, presidente do Tribunal de Justiça do estado e tenha concluído o seu mandato. O colegiado, por maioria de votos, acompanhou o voto divergente apresentado pelo corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins.

A decisão foi tomada na terça-feira (4/8), durante a 315ª Sessão Ordinária do CNJ, no julgamento de recurso administrativo interposto pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) contra decisão monocrática da conselheira Maria Cristiana Ziouva, relatora, que anulou a nomeação do desembargador João de Jesus Abdala Simões para a direção da Esmam, determinando que o cargo  fosse exercido pelo mais recente ex-presidente do TJAM, desembargador Yedo Simões de Oliveira.

Em sua decisão, a conselheira acolheu a insurgência e a interpretação dada pelo desembargador Yedo Simões ao disposto no artigo 92, parágrafo 2º, da LC nº 17/1997, com a redação dada pela LC nº 190, de 10 de agosto de 2018, de que a norma prevê que, encerrado o mandato na presidência do tribunal, a nomeação do desembargador para a direção da Esmam será automática, salvo recusa expressa ou tácita.

Voto divergente

Na divergência apresentada, Humberto Martins considerou que a norma, em nenhum momento, evidencia que o direito de ocupar a função de diretor da Esmam pertence apenas ao desembargador que imediatamente encerrou o seu mandato de presidente do TJAM. Os requisitos explicitados na lei, segundo o ministro, seriam apenas dois: ter sido presidente do TJAM e ter concluído o seu mandato.

“Não se trata de modificar a interpretação da lei na via administrativa, mas, tão somente, de lhe conferir a interpretação que mais se adequa ao caráter plural de formação e participação administrativa de todos os desembargadores na gestão de um tribunal de Justiça”, afirmou o corregedor nacional.

Martins reconheceu que a lei estadual foi construída de uma forma que suscita dúvidas quanto à sua interpretação e alcance, mas, segundo ele, concluir de forma diferente beneficiaria apenas um único desembargador, enquanto o entendimento dado pelo TJAM amplia, democraticamente, o acesso de todos os ex-presidentes ao cargo de diretor da escola.

Colegialidade

“Deve este Conselho Nacional de Justiça adotar a interpretação normativa que mais se adequa à colegialidade, à antiguidade e à alternância de ocupantes de cargos diretivos na estrutura administrativa dos tribunais”, defendeu Martins. O corregedor nacional destacou ainda o fato de a nomeação do desembargador João de Jesus Abdala Simões para a direção da Esmam ter sido uma decisão colegiada, tomada pela maioria dos desembargadores do tribunal.

“Entendo que, para não causar prejuízos aos serviços prestados pela Esmam, inclusive na formação e aperfeiçoamento dos magistrados amazonenses, deve o desembargador João de Jesus Abdala Simões, eleito democraticamente pelo pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas, ser mantido na função de diretor da Escola Superior”, concluiu o corregedor nacional.

Agência CNJ de Notícias

A
Fechar Menu