Portuguese PT English EN Spanish ES
CNJ aposenta desembargador acusado de venda de sentenças em Tocantins
CNJ aposenta desembargador acusado de venda de sentenças em Tocantins
Conselheiro Luiz Fernando Keppen durante a 329ª Sessão Ordinária do Plenário do CNJ, em 20 de abril de 2021. Foto: Romulo Serpa/CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) condenou o desembargador Amado Cilton Rosa, do Tribunal de Justiça de Tocantins (TJTO), a aposentadoria compulsória com proventos proporcionais por organizar um esquema de venda de sentenças em seu gabinete. A decisão foi unânime. O magistrado foi denunciado durante a Operação Maet e estava afastado das funções desde 2011.

De acordo com o relator do processo n. 0002803-24.2016.2.00.0000, Luiz Fernando Keppen, “ele nomeou parentes no gabinete como assessores e montou um núcleo de venda de decisões judiciais”. A decisão foi tomada por unanimidade nessa terça-feira (20/4), durante a 329ª Sessão Ordinária do Plenário do CNJ.

Leia também: Plenário decide que cartórios terão de divulgar faturamento

A defesa do magistrado pediu a suspensão do processo até o julgamento da ação penal e alegou ainda que, na ação civil, Amado Cilton Rosa havia sido inocentado em algumas acusações. No entanto, o subprocurador geral da República Alcides Martins considerou que o processo administrativo deveria ser concluído pela aposentadoria pois as provas eram claras.

Operação Maet

A Operação Maet foi deflagrada em 16 de dezembro de 2010 e denunciou 16 suspeitos. Os acusados, segundo a investigação, estariam envolvidos em esquemas de venda de sentenças e de fraudes em cobranças de precatórios no TJTO.

Paula Andrade
Agência CNJ de Noticias

Reveja a 329ª Sessão Ordinária no canal do CNJ no YouTube

Veja mais fotos no Flickr do CNJ
20/04/2021 329ª Sessão Ordinária

A
Fechar Menu