Portuguese PT English EN Spanish ES
CE: Pessoas com transtorno mental presas terão apoio especializado
CE: Pessoas com transtorno mental presas terão apoio especializado
Desde 2019, as questões de saúde mental no contexto de privação de liberdade são trabalhadas pelo CNJ por meio do programa Fazendo Justiça. Foto: G.Dettmar/CNJ
Compartilhe

O Ceará conta agora com o Serviço de Avaliação e Acompanhamento de Medidas Terapêuticas Aplicáveis à Pessoa com Transtorno Mental em Conflito com a Lei (EAP). A implantação da primeira equipe EAP no estado é uma das conquistas do Grupo de Trabalho de Saúde Mental do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF) do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

De acordo com o desembargador Henrique Jorge Holanda Silveira, supervisor do GMF, o grupo de trabalho de Saúde Mental tem como um dos seus objetivos discutir o fluxo e acompanhamento das pessoas em medida de segurança do sistema prisional, sob a luz da lei nº 10.216, conhecida como lei da Reforma Psiquiátrica, regida pela lógica antimanicomial. Dessa forma, tem sido priorizado o cuidado em âmbito ambulatorial e territorial e também fortalecido o trabalho em rede.

A primeira equipe EAP está vinculada à Secretaria estadual da Saúde e tem como atuação a Região de Saúde de Fortaleza, composta por 44 municípios, incluindo a capital. Profissionais vão atuar no processo de desinstitucionalização das pessoas internas em medida de segurança. O trabalho vai desde a avaliação e acompanhamento em regimes aplicáveis pela lei à realização dos estudos de casos entre as instituições e a Rede de Atenção Psicossocial.

De acordo com o supervisor do GMF, já está em elaboração o Termo de Cooperação Técnica entre o TJCE e as Secretarias da Saúde e de Administração Penitenciária para institucionalizar a parceria e fortalecer a atuação da equipe EAP no âmbito do estadual. Atualmente, na região de Fortaleza, existem 30 pessoas em cumprimento de medida de segurança de internação, sendo 28 no Hospital de Custódia Instituto Psiquiátrico Governador Stênio Gomes (IPGSG), uma interna cumprindo medida de segurança no Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa (IPF) e uma interna no Hospital de Saúde Mental Frota Pinto.

Desde o final de 2020, sete pessoas foram desinternadas e retornaram ao convívio familiar/e ou comunitário. Elas estão em acompanhamento pela equipe EAP, visando a garantia do cuidado em saúde mental e o acesso a direitos e benefícios.

Serviço

O EAP, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), foi instituído pela Portaria n° 94, de 14 de janeiro de 2014. Ele atua como dispositivo articulador entre os órgãos da Justiça Criminal, a rede de atenção à saúde, a rede socioassistencial, a família e a sociedade. A primeira equipe de EAP do Ceará é composta por médico psiquiatra especialista em psiquiatria forense, duas enfermeiras especialistas em saúde mental, assistente social e psicóloga.

No dia 17 de abril deste ano, o TJCE instituiu um Grupo de Trabalho Interinstitucional com o objetivo de propor estratégias para atenção integral ao paciente judiciário, à proteção de direitos fundamentais da pessoa com transtorno mental e sua desinstitucionalização. Além do TJCE, o colegiado conta com a participação de representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e das secretaria estaduais de Administração Penitenciária e Saúde e das secretarias de Saúde e de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social de Fortaleza. Participam, ainda, a Comissão Integrada de Saúde Mental do Conselho Estadual de Direitos Humanos e o Comitê Estadual de Prevenção e Combate à Tortura, com o apoio do Programa Fazendo Justiça.

No dia 3 de dezembro, houve a primeira reunião do grupo condutor da Política de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional no âmbito do Sistema Único de Saúde (PNAISP) do Ceará. O grupo foi criado em 11 de novembro deste ano para mobilizar os dirigentes do SUS e dos sistemas prisionais em cada fase de implantação e implementação da PNAISP; apoiar a organização dos processos de trabalho voltados para a implantação e implementação da PNAISP no estado; identificar e apoiar a solução de possíveis pontos críticos em cada fase do processo.

Fonte: TJCE

Macrodesafio - Aprimoramento da gestão da Justiça criminal

A
Fechar Menu