.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ). Crédito: Divulgação/TJRJ.

O clima do maior evento esportivo do mundo retornou ao Rio de Janeiro na última semana. No 7 de setembro, começaram os Jogos Paralímpicos Rio 2016. A competição reúne cerca de 4 mil atletas de mais de 170 países. E o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), mais uma vez, se faz presente por meio dos postos do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos. Até 18 de setembro, são três unidades instaladas (Barra, Engenhão e Maracanã) para julgar os casos relacionados ao evento, com competência plena para prestar os serviços jurídicos.

Para o juiz Marcello Rubioli, a experiência adquirida durante a Olimpíada tornou a atuação do Tribunal ainda mais efetiva. “Trabalharemos com um número menor de servidores e de unidades, porque é um evento de menor porte, mas não é possível afirmar que atenderemos poucas ocorrências. Temos que considerar que é um evento grande, e que tem um interesse ainda crescente. De qualquer forma, estamos preparados”, afirmou o magistrado. Ele lembrou que os casos ocorridos ficarão concentrados nos postos do Juizado do Torcedor.

Para os Jogos Paralímpicos, o TJRJ terá uma equipe que contará com assessores jurídicos, secretários, técnicos de informática, elétrica e logística, seguranças e motoristas, além de 14 juízes de direito, coordenados pelo desembargador Mauro Martins. Na Olimpíada do Rio 2016, o tribunal registrou, em duas semanas, 182 casos de cambismo, o crime mais praticado nesse período. Ao todo, foram realizadas 244 audiências, com efetivação de 97 transações penais, e decretadas 76 prisões preventivas nos sete locais de funcionamento do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos.

Fonte: TJRJ


Tópicos: TJRJ,juizados especiais