.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
Lançamento da Pedra Fundamental da Nova Sede do CNJ. Foto: Gil Ferreira/ Agência CNJ
Lançamento da Pedra Fundamental da Nova Sede do CNJ. Foto: Gil Ferreira/ Agência CNJ

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, lançou, nesta terça-feira (16/8), a Pedra Fundamental das futuras instalações do Conselho. Em uma área de 80 metros quadrados, no Setor de Clubes Norte, em Brasília/DF, foi inaugurada também a Praça da Justiça, onde foram plantadas 15 mudas de ipês, que representam os 15 conselheiros que compõem o órgão.

“Cada uma dessas árvores desenvolverá de maneira diferente e trará flores distintas, assim como nosso colegiado. Todos produzem frutos, trabalhos, projetos, programas distintos, mas o resultado é um só, em prol do Judiciário brasileiro”, comparou o ministro Lewandowski.

No lançamento da Pedra Fundamental foi enterrada uma caixa de acrílico com diversos documentos e objetos para ser reaberta dentro de 10 anos ou quando a construção da nova sede for inaugurada. A chamada Cápsula do Tempo do Conselho foi lacrada com revistas e jornais do dia, o regimento interno, publicações do CNJ como o anuário Justiça em Números, foto oficial da composição atual do Conselho, cartas de filhos de servidores sobre a Justiça e a moeda comemorativa das Olimpíadas Rio 2016. 

“Os servidores do órgão, a maioria são jovens, certamente desfrutarão desse prazeroso local de Brasília, em um prédio que será construído e representará a pujança dessa ideia que é o CNJ, que significa o fortalecimento da magistratura mediante um planejamento estratégico permanente”, completou o presidente do CNJ.

Participaram da cerimônia os conselheiros Daldice Santana, Arnaldo Hossepian, Luiz Allemand, Carlos Eduardo Dias, Bruno Ronchetti, Lelio Bentes, Norberto Campelo, Rogério Nascimento, Gustavo Alkmim, Carlos Levenhagem e Fernando Mattos, além de magistrados, diretores de departamentos, servidores e colaboradores do órgão. 

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias