RESOLUÇÃO Nº 109, DE 06 DE ABRIL DE 2010

Resolução suspensa pelo Processo nº 343587

Texto original

 

Institui a Medalha Joaquim Nabuco de Direitos Humanos e dá outras providências.

 

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

CONSIDERANDO que a responsabilidade social e a promoção da cidadania são objetivos estratégicos a serem alcançados pelo Poder Judiciário, a teor da Resolução nº 70 do Conselho Nacional de Justiça;

CONSIDERANDO a necessidade de incentivar ações que visem garantir o reconhecimento dos direitos fundamentais à vida, à liberdade, à igualdade e à segurança;

CONSIDERANDO que em 2010 é celebrado o centenário da morte de Joaquim Nabuco, jurista, que se destacou na história brasileira pela defesa dos direitos humanos - nomeadamente a abolição da escravatura e a democratização do solo -, tendo sido consignado, por força da Lei nº 11.946, de 2009, como o Ano Nacional Joaquim Nabuco;

CONSIDERANDO o deliberado pelo Plenário do Conselho Nacional de Justiça na 102ª Sessão Ordinária, realizada em 6 de abril de 2010, nos autos do ATO 0002269-90.2010.2.00.0000

 

RESOLVE:

 

Art. 1º Fica instituída a Medalha Joaquim Nabuco de Direitos Humanos, a ser concedida, anualmente, pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ a pessoas naturais e jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que por seus serviços em prol dos direitos humanos tenham se tornado merecedoras da distinção.

Art. 2º As indicações das pessoas naturais ou jurídicas a serem agraciadas com a distinção poderão ser propostas por:

I - Conselheiros do CNJ, observado um máximo de duas indicações por Conselheiro;

II - Presidentes de Tribunais, associações nacionais de magistrados e membros do Conselho Consultivo do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, observado o limite de uma indicação para cada um dos proponentes.

§ 1º As indicações deverão ser formalizadas até 19 de dezembro de cada ano e nelas deverão constar a qualificação do candidato e o fundamento pelo qual é considerando merecedor da insígnia.

§ 2º Na hipótese do inciso II, as indicações deverão ser feitas mediante ofício dirigido ao Presidente do CNJ.

§ 3º Não serão admitidas inscrições de pessoas naturais ou jurídicas à distinção.

Art. 3º A escolha dos agraciados caberá aos Conselheiros do CNJ, após análise individualizada dos indicados.

§ 1º O número de agraciados, em cada ano, não poderá exceder a dez. 

§ 2º A qualquer tempo, o CNJ poderá suspender o direito de ostentar a insígnia em razão de condenação judicial ou prática de atos contrários aos seus propósitos.

Art. 4º A relação dos agraciados constará de Portaria subscrita pelo Presidente do CNJ e publicada no Diário da Justiça.

Art. 5º O Presidente do CNJ ou quem dele receber delegação fará a outorga da Medalha, em solenidade para esse fim designada.

Art. 6º Os agraciados serão condecorados com a entrega de insígnia e diploma.

Art. 7º As indicações referentes ao ano de 2009, para entrega no ano em curso, caberão exclusivamente aos Conselheiros do CNJ, sendo inaplicável, neste caso, o prazo previsto no § 1º do artigo 2º.

Art. 8º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.


Ministro GILMAR MENDES





Palavras-chave: resolucao 109, atos, resolucoes, medalha joaquim nabuco de direitos humanos, resolucao suspensa

brasao

SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B CEP: 70760-542

Telefones - 55 61 2326-5000 Horário de atendimento ao público: das 12h às 19h.